A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

26/04/2016 15:52

Cooperativa de SC deixa de fornecer ração e suínos podem morrer de fome

Em março, juiz de Dourados determinou fornecimento de ração e medicamentos, mas liminar voltou a ser descumprida neste mês; quatro mil suínos estão sem ração, segundo produtor

Helio de Freitas, de Dourados
Suínos podem morrer por falta de ração e remédios (Foto: Divulgação)Suínos podem morrer por falta de ração e remédios (Foto: Divulgação)

Pelo menos quatro mil suínos de uma granja localizada no município de Rio Brilhante, a 160 km de Campo Grande, correm o risco de morrer por falta de alimentação e tratamento contra doenças. Os animais são criados pelo produtor João Renato Barbosa Ceolin através de um contrato com a Cooper Xanxerê, uma das maiores cooperativas de Santa Catarina.

Entretanto, a cooperativa estaria descumprindo o acordo e desde fevereiro deste ano atrasa a remessa de ração e medicamentos para tratamento dos porcos. Alguns animais já morreram por falta de remédios o problema se agrava por ausência de ração. Diariamente os suínos consomem 14 mil quilos de ração por dia.

O Campo Grande News apurou que vários outros produtores da região de Dourados enfrentam problemas semelhantes, mas João Ceolin é o primeiro a buscar uma solução judicial, como fez através de ação impetrada no mês passado.

O juiz da 4ª Vara Cível de Dourados, Jonas Hass da Silva Junior, concedeu liminar determinando a remessa imediata da alimentação e remédios, conforme cópia da decisão encaminhada ao Campo Grande News.

A ação foi impetrada em Dourados porque a cooperativa tem uma representação no município. Na semana passada, no entanto, a ordem judicial foi descumprida e novamente a Cooper Xanxerê deixou de fornecer os produtos.

Desde 2013 – Na ação impetrada na 4ª Vara Cível de Dourados, o produtor João Ceolin informou que mantém contrato com a Cooper Xanxerê desde maio de 2013. Pelo acordo, a cooperativa fornece os leitões, a alimentação e os medicamentos e o produtor tem a responsabilidade de cuidar da criação em sua propriedade, sendo remunerado no momento da retirada dos suínos prontos para o abate.

Em fevereiro deste ano, conforme alegado na ação judicial, a cooperativa catarinense começou a atrasar o repasse de alimentos e remédios. Primeiro o atraso foi de sete dias consecutivos e depois de dez dias alternados.

No mês passado, quando recorreu à Justiça, o produtor informou que a cooperativa tinha programado a retirada de 480 suínos no dia 21 de março. Entretanto, ainda estava devendo o valor de R$ 21.728,32 referentes ao lote de 480 animais retirado em fevereiro.

Ceolin alega que tentou, sem sucesso, contato com a Cooper Xanxerê e decidiu recorrer à Justiça para garantir o fornecimento da ração e para receber o valor atrasado.

Na liminar do dia 23 de março, o juiz douradense determinou o fornecimento dos produtos para tratamento e alimentação dos quatro mil suínos e mandou a empresa suspender a retiruada dos animais até fazer o pagamento do atrasado. Além disso, estipulou multa diária de R$ 300 em caso de descumprimento – fato que ocorreu na semana passada, segundo os advogados do produtor.

“Neste final de semana protocolamos uma petição neste processo informando que a empresa novamente não vem cumprindo com sua obrigação de fornecimento de ração, em total desobediência à decisão judicial e requeremos ao juiz a intimação da empresa e majoração da multa diária”, afirma Renata Garcia Ceolin, filha de João Renato e também advogada do produtor.

Segundo ela, a principal justificativa da empresa para o descumprimento é a de que houve atraso na entrega de ração por causa do excesso de chuvas. “Essa justificativa cai por terra porque há muito tempo não chove na propriedade e na região, conforme demonstram fotos e a média mensal de precipitação que juntamos na petição”, afirmou Renata.

Cooperativa – Em nota encaminhada por e-mail ao Campo Grande News, a Cooper Xanxerê se manifestou através da advogada Claudine Rota, da Rotta Advocacia e Consultoria Jurídica.

“A questão está judicializada e não há descumprimento da liminar. A Cooperativa Agrária Xanxerê contestou a ação proposta pelo Sr. José Renato Barbosa Ceolin e aguarda-se a manifestação do magistrado. Desconhecemos o teor desta ‘nova petição’ que teria sido entregue pelo autor, ressaltando que incumbe exclusivamente ao Poder Judiciário tecer juízo de valor acerca dos fatos postos sob sua análise”, afirmou a advogada.

Ação pede a transferência de presos detidos na delegacia de Bonito
O MPE (Ministério Público Estadual) ingressou com ação civil pública pedindo à Justiça que determine a transferência imediata de todos os presos prov...
Sicredi faz doação para reformas de quartos no Lar do Idoso de Dourados
A agência Integração do Sicredi de Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - fez a doação de recursos para a reforma de 14 quartos no L...
UFMS oferece 16 vagas para professor de nível superior em Três Lagoas
Será aberto no próximo dia 1º de janeiro pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) as inscrições para preencher 16 vagas para professore...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions