ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  11    CAMPO GRANDE 20º

Interior

Corpo da 19ª vítima da covid-19 em MS é enterrado sem velório

Como determina protocolo, corpo em caixão lacrado foi levado do HU para cemitério particular e enterrado imediatamente

Por Helio de Freitas, de Dourados | 29/05/2020 16:12
Carro de funerária chega a cemitério particular na região norte de Dourados (Foto: Hédio Fazan/Dourados News)
Carro de funerária chega a cemitério particular na região norte de Dourados (Foto: Hédio Fazan/Dourados News)

Seguindo protocolo do Ministério da Justiça, o corpo da venezuelana Rulesis Esther Hernandez, 27, a 19ª vítima da covid-19 em Mato Grosso do Sul, foi enterrado sem velório na tarde desta sexta-feira (29) em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

O carro da funerária levou o caixão lacrado do HU (Hospital Universitário), onde ela estava internada, até um cemitério particular onde o corpo foi enterrado sem a presença de jornalistas. O hospital e o cemitério ficam próximos, na região norte da cidade.

O marido e os três filhos pequenos de Ruselis não acompanharam o enterro. Os quatro estão isolados e são acompanhados pela Saúde pública.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, a venezuelana morava em Dourados com a família há pelo menos um ano e meio. Desde o início de 2019, milhares de refugiados venezuelanos se instalaram em Dourados para trabalhar, trazidos por entidades internacionais e igrejas.

Ruselis foi internada quarta-feira (27) no Hospital Universitário depois de procurar atendimento na UPA (Unidade de Pronto Atendimento). Ontem o exame confirmou que ela tinha sido infectada pelo coronavírus. Na madrugada de hoje a mulher morreu. Não foram relatados outros problemas de saúde que pudessem incluí-la em grupos de risco da doença.

O Comitê de Gerenciamento de Crise da Covid-19 em Dourados anunciou que vai divulgar uma nota técnica sobre a morte. A cidade tem 236 casos confirmados de coronavírus e agora duas mortes. A outra foi de caminhoneiro residente em Dourados que morreu no Tocantins, em abril. Por protocolo do Ministério da Saúde, a morte entra na estatística do local de residência da vítima.