A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

29/11/2018 21:36

Curso de jardinagem capacita detentas enquanto cumprem penas em presídio

Adriano Fernandes
Alunas durantes uma das aulas do curso. (Foto: Divulgação) Alunas durantes uma das aulas do curso. (Foto: Divulgação)

No Estabelecimento Penal Feminino de Regime Semiaberto de Dourados – cidade a 233 quilômetros de Campo Grande-, reeducandas buscam, literalmente, plantar durante o caminho atrás de uma segunda chance no mercado de trabalho, na esperança de que os próximos frutos, além de bons, sejam mais coloridos e longe da vida no crime.

Trinta mulheres que cumprem penas na unidade participam de um “Curso de Formação Profissional para Jardineiro”, que envolve conteúdos teóricos e práticos de plantio, manutenção e paisagismo, abordando conhecimento sobre estudo do PH do solo, cultivo, adubação, organização de viveiros, poda, controle de pragas e produção de plantas ornamentais.

O curso é uma iniciativa da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) em parceria com a 3ª Vara Criminal de Dourados e Ministério Público e surge como uma oportunidade das detentas ao cumprirem suas penas, terem um novo meio de sustento.

“Como se trata de planta, é necessário cuidado, carinho e habilidade. Acredito que futuramente posso ter como uma profissão”, comentou a reeducanda Andreia Cardoso, 35 anos, destacando entre os aprendizados a produção de kokedamas, um tipo de ornamento com plantas utilizado em decorações internas.

Dados do Ibraflor (Instituto Brasileiro de Floricultura) apontam que o mercado de plantas está em pleno crescimento e movimenta um faturamento médio de R$ 5 bilhões ao ano. A especialista em paisagismo e arquiteta Monad Clemente também aponta que a média salarial para quem atua no ramo de jardinagem gira em torno de R$ 2 mil.

“Se quiser garantir sua competitividade tem de agregar conhecimento de variedades, adubação correta, época de corte e de plantio, regime de regas, nível de umidade e intensidade do sol e sombra, tipo de terreno e etc.”, pontua.

No fim do curso as alunas serão capazes de escolher plantas, ler projetos, organizar canteiros, pois contam com aulas de desenho técnico e representação gráfica. Além do conhecimento adquirido e a certificação profissional, a participação nas aulas também assegura remição na pena por estudo, conforme prevê a Lei de Execução Penal.

A capacitação teve início em agosto e prossegue até janeiro. Só este ano cerca de 900 custodiados em presídios de Mato Grosso do Sul já foram qualificados com atividades de profissionalização, enquanto cumprem suas penas.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions