ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Da fronteira, traficantes levavam "pelo ar" 5 toneladas de cocaína por mês

Grupo de Minotauro levava droga de Pedro Juan Caballero e Ponta Porã de helicóptero até SP; destino final era Europa

Silvia Frias | 18/08/2020 14:25
Helicópteros eram carregados com cocaína em fazenda de Pedro Juan Caballero (Foto/Divulgação:PF)
Helicópteros eram carregados com cocaína em fazenda de Pedro Juan Caballero (Foto/Divulgação:PF)

Da fronteira do Paraguai, em Pedro Juan Caballero e em Ponta Porã, helicópteros carregados de cocaína iniciavam o transporte que, posteriormente, seria feito por terra em SP e, por fim, em navios até a Europa. O grupo comandado por Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, o Minotauro, era responsável pela primeira fase, com remessas mensais de 5 toneladas da droga.

O esquema com participação de quatro organizações criminosas foi alvo da fase ostensiva da Operação Além-Mar comandada pela PF (Polícia Federal) de Pernambuco, no cumprimento de 189 mandados de busca e aprensão e de prisão expedidos pela 4ª Vara Federal de PE em mais 11 estados (AL, BA, CE, GO, MS, PA, PB, PR, RN, SC, SP) e no Distrito Federal.

Minotauro foi preso em SC, em fevereiro de 2019 (Foto/Reprodução)
Minotauro foi preso em SC, em fevereiro de 2019 (Foto/Reprodução)

Do total, 139 são de busca e 50 de detenções, preventivas e temporárias. Em Mato Grosso do Sul, foram 11 mandados de busca e apreensão e 3 de prisão.

Até agora, segundo a PF, foram cumpridos os 139 mandados de busca e apreensão e 24 de prisão. Foram confiscados 52 HDs, 24 celulares e R$ 361 mil.

Em coletiva no fim da manhã, os delegados enfatizaram o foco em descapitalizar os grupos criminosos e não somente a apreensão do produto final.

Foi determinado, ainda, pela Justiça Federal o sequestro de aviões (7), helicópteros (5), caminhões (42) e imóveis (35) urbanos e rurais (fazendas) ligados aos investigados e ao esquema criminoso, além do bloqueio judicial do valor de R$100 milhões.

A investigação começou em 2018. A delegada Adriana Vasconcelos, chefe de repressão e drogas em PE, detalhou o modus operandi de cada uma das quatro organizações autônomas, que trabalhavam em conjunto para o transporte internacional de cocaína.

As quadrilhas trabalhavam exclusivamente no tráfico de cocaína. A droga vinha da Bolívia para ser carregada no Paraguai, principalmente em uma fazenda localizada em Pedro Juan Caballero. Ponta Porã também é citado como ponto de abastecimento.

Adriana explicou que as quadrilhas começaram a optar por helicópteros para transporte da droga. “São menos suscetíveis à atuação da fiscalização do espaço aéreo, mas não tem a mesma autonomia dos pequenos aviões”.

Por isso, o helicóptero que saía de São Paulo precisava ser reabastecido até chegar à fronteira. Os tanques de combustíveis foram adaptados para remediar a situação e, para acondicionar a droga, bancos eram removidos.

Caminhões tanques apreendidos na operação (Foto/Divulgação)
Caminhões tanques apreendidos na operação (Foto/Divulgação)

Essa 1ª fase era de responsabilidade do grupo comandado por Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, o Minotuaro, apontado como chefe do tráfico da fronteira com Paraguai. Ele está preso desde o dia 4 de fevereiro de 2019, depois de ser encontrado em Balneário Camboriú (SC).

“Mas seus comparsas continuaram na atuação”, disse Adriana Vasconcelos. O grupo remetia cerca de 5 toneladas de cocaína por mês, segundo investigação da PF.

Na coletiva, não foram citados nomes dos herdeiros de Minotauro, mas investigações anteriores da PF indicam que o paraguaio Ederson Salinas Benitez, o “Salinas Ryguasu” seria o sucessor direto.   Ele chegou a ser preso em 19 de janeiro deste ano, após briga de trânsito em Ponta Porã, utilizando identidade falsa. Em março, foi solto, cumprindo medidas restritivas e sob pagamento de R$ 80 mil em fiança.

Aeronave era adapta para o transporte da cocaína até estado de São Paulo (Foto/Divulgação:PF)
Aeronave era adapta para o transporte da cocaína até estado de São Paulo (Foto/Divulgação:PF)

Caminho da droga – a partir do carregamento dos helicópteros, a droga era levada até estado de São Paulo, onde entrava em ação a segunda organização criminosa, que recebia a droga até que fosse transportada por via terrestre.

O terceiro grupo era formado por empresários do transporte de carga de Pernambuco, responsáveis pela logística do transporte, cooptando caminhoneiros para que a cocaína fosse levada até os depósitos dos traficantes e, depois, até os containers. O destino eram os portos da Espanha, Bélgica e Holanda, de onde a droga era distribuída para resto da Europa.

A quarta parte da organização criminosa, estabelecida na região do Brás (SP) e atuava como banco paralelo, disponibilizando sua rede de contas bancárias (titularizadas por empresas fantasma, de fachada ou em nome de “laranjas”). O objetivo era movimentação de recursos de terceiros, de origem ilícita, mediante controle de crédito/débito, cujas restituições se dão em espécie e a partir de TEDs, inclusive com compensação de movimentação havida no exterior (dólar-cabo).

Na coletiva, PF apresenta a rota usada pelos traficantes: droga da Bolívia era levada ao Paraguai e, de lá, seguia para SP (Foto/Divulgação)
Na coletiva, PF apresenta a rota usada pelos traficantes: droga da Bolívia era levada ao Paraguai e, de lá, seguia para SP (Foto/Divulgação)


Nos siga no Google Notícias