ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
NOVEMBRO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 32º

Interior

Defesa vê condenação pela morte de Marielly como "exagerada" e recorrerá ao TJMS

Hugleice da Silva, ex-cunhado da vítima, foi condenado a 4 anos de prisão em regime semiaberto

Dayene Paz | 16/09/2022 11:15
Hugleice durante depoimento que durou 40 minutos nesta quinta. (Foto: Paulo Francis)
Hugleice durante depoimento que durou 40 minutos nesta quinta. (Foto: Paulo Francis)

Hugleice da Silva, de 38 anos, foi condenado nesta quinta-feira (15) a quatro anos de prisão, em regime semiaberto, por causar a morte de Marielly Barbosa Rodrigues, de 19 anos, durante aborto e jogar o corpo em milharal, em Sidrolândia. Uma pena branda diante da gravidade do caso, contudo, para o advogado de defesa, José Roberto da Rosa, um "pouquinho exagerada".

"Entendo que ficou um pouquinho exagerada a pena da ocultação, porque houve aumento de 50%, elevou em um ano, então eu vou para o Tribunal para ver se consigo reduzir um pouquinho essa pena", explica.

Hugleice foi condenado a três anos de prisão pelo crime de aborto com consentimento da gestante qualificado pelo resultado morte e um ano pelo crime de ocultação de cadáver, totalizando quatro anos de prisão. O regime é o semiaberto, ou seja, ficaria livre durante o dia e apenas dormiria na cadeia. Ele só não saiu em liberdade nesta quinta-feira porque cumpre pena de 12 anos de prisão por tentar matar a ex-esposa, irmã de Marielly, em 2018, na cidade de Alto Taquari (MT).

A mulher, que continuou mantendo um relacionamento com ele, mesmo depois da prisão pela morte da irmã, levou 39 pontos no pescoço. Ela depôs no júri e afirmou que antes de sofrer a tentativa de feminicídio era "dependente emocional" de Hugleice.

Maiara, irmã de Marelly durante depoimento por videoconferência. (Foto: Paulo Francis) 
Maiara, irmã de Marelly durante depoimento por videoconferência. (Foto: Paulo Francis) 

Enfermeiro - Já a defesa do enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes, 51 anos, não entrará com recurso. Ele foi condenado a cinco anos e três meses, também no regime semiaberto, saindo pela porta da frente do Fórum de Sidrolândia, já que, além do regime da pena garantir sua parcial liberdade, o caso cabe recurso. Isso significa que por enquanto ele não cumpre a pena estabelecida.

O advogado do enfermeiro, David de Moura Olindo, definiu o resultado como justo. "Acho que foi um julgamento justo, bem feito e a pena aplicada pelo juiz não podia ser diferente. Para a defesa do Jodimar a gente se dá por satisfeito", pontuou.

Ministério Público – A acusação feita pelo Ministério Público afirmou que vai analisar a questão da pena. A promotora Bianca Machado Arruda Mendes chegou a se emocionar ao final do júri, que durou mais de 10 horas. "Estou satisfeita com o resultado, finalmente a vítima vai poder descansar em paz. Não é só um processo, a gente tem uma história por traz de tudo isso, ali havia uma história de uma menina de 19 anos que infelizmente perdeu a vida".

Prescrição – Os acusados, além da pena branda, poderão ter mais uma redução, isso porque, como o caso levou mais de uma década para ir a julgamento, o crime de ocultação de cadáver prescreveu.

"Se eu fixei em um ano a prescrição é em quatro anos, só que entre o recebimento da denúncia e a pronúncia decorreu mais do que quatro anos. Então, se não houver recurso e essa pena não for aumentada, o crime de ocultação de cadáver estará prescrito", explica o juiz Cláudio Pareja.

Segundo o juiz, os prazos de prescrição dependem da pena fixada. "Tem seis prazos de prescrição, até um ano de pena ela ocorre em três anos, de um a dois a prescrição é de quatro anos, pena de dois a quatro anos é oito de prescrição e assim vai. Então, cada crime tem uma pena e cada crime prescreve em prazos diferentes". Já no caso do crime de aborto, em que a pena máxima é de 8, leva mais tempo para prescrever.

Há 11 anos – O caso começou a ser investigado em maio de 2011, como desaparecimento. A mãe de Marielly registrou boletim de ocorrência no dia seguinte ao sumiço. O então cunhado também tomou frente nas buscas, mesmo sabendo o que de fato havia ocorrido com a jovem.

O corpo foi encontrado no dia 11 de junho, em estrada vicinal que corta a BR-060, entre Campo Grande e Sidrolândia. A identificação foi imediata, por conta do aparelho que a moça usava nos dentes. Uma das pistas iniciais foi pano encontrado, que levou à clínica clandestina de aborto.

O caso ganhou ainda maior repercussão, quando foi descoberto que o próprio cunhado era o pai do bebê. Diante dessa informação, a polícia relacionou Hugleice à ocultação de cadáver. Com a quebra de sigilo telefônico, a polícia encontrou ligações entre os dois e mapeou o caminho seguido por Marielly até chegar à Sidrolândia.

Em depoimento, o cunhado confessou que mantinha relacionamento com a jovem, até que ela engravidou. Em comum acordo, foram até Sidrolândia para que ela fosse submetida a aborto.

Hugleice contratou o enfermeiro Jodimar, segundo a denúncia, para o procedimento, que foi feito em uma casa do Bairro São Bento, mas Marielly passou mal, sofreu intensa hemorragia e morreu.

Em trecho do depoimento prestado à polícia, Hugleice confessou que recebeu a notícia da fatalidade, dada pelo enfermeiro: “A menina morreu, não há mais nada que possa ser feito, a gente tem que dar jeito no corpo dela”, teria dito. Foi quando a dupla decidiu dar fim ao cadáver.

Apesar de confessar para a polícia durante a investigação que tinha uma relação com Marielly, durante o julgamento de ontem, Hugleice voltou atrás. Ele negou envolvimento amoroso com a jovem e disse que não seria o pai do bebê. Afirmou que estava sendo coagido para confessar a relação com a então cunhada.

Nos siga no Google Notícias