ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  31    CAMPO GRANDE 20º

Interior

Diante de polêmica, UFGD reafirma legitimidade de eleição para reitor

Colégio eleitoral da instituição, encaminhou oficio ao MEC em que responde aos questionamentos do órgão e esclarece todos os critérios adotados na eleição para reitor

Por Adriano Fernandes e Helio de Freitas | 24/04/2019 21:03
Alunos no campus da universidade em Dourados. (Foto: Reprodução/Facebook)
Alunos no campus da universidade em Dourados. (Foto: Reprodução/Facebook)

Após uma reunião nesta tarde (24) o colégio eleitoral da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) encaminhou um ofício ao MEC (Ministério da Educação) em que ressalta a legitimidade do processo que elegeu o novo reitor da universidade, este ano.

No último dia 18 deste mês, o secretário de Educação Superior do Ministério da Educação Mauro Luiz Rabelo, determinou a reitora Liane Maria Calarge a realização de um novo processo eleitoral para definição da lista tríplice, alegando irregularidades nas indicações. 

Contudo, o colegiado encaminhou ao Ministério documento em que responde aos questionamentos do órgão e esclarece todos os critérios adotados na eleição para reitor. A universidade, agora, aguarda um retorno do MEC.

Eleição - Como em todas as universidades federais do país, a UFGD sugeriu ao Ministério da Educação uma lista de três nomes ao cargo, com a sugestão de que o primeiro da lista fosse o escolhido como reitor. Também incluiu na lista enviada ao MEC os nomes de Jones Dari Goettert e Antonio Dari Ramos, que se candidataram como reitores, mas não participaram da consulta feita a alunos, professores e administrativos.

Com base nas indicações, no último dia 21 de março, o colégio eleitoral elegeu Etienne Biasotto para reitor e Claudia Lima para vice-reitora. No entanto, o MEC questiona o fato de a UFGD ter descartado de suas listas os candidatos derrotados na votação realizada pela comunidade acadêmica – a atual reitora LianeCalarge e Joelson Pereira - e sugerindo apenas nomes indicados pelo colégio eleitoral.

O Campo Grande News apurou que o problema apontado pelo MEC é devido ao voto paritário.Na consulta prévia feita em março, os votos dos estudantes, professores e dos administrativos tiveram o mesmo peso. A consulta prévia, no entanto, não é a eleição que vale legalmente.

No dia 21 de março, após o resultado da consulta ser divulgado, o colégio eleitoral realizou a eleição, seguindo a legislação e a própria indicação do MEC, de que a eleição não é vinculada à consulta prévia.

Qualquer professor doutor, vinculado à UFGD, poderia ir à reunião do colégio eleitoral e se candidatar, mesmo que não tivesse participado da consulta prévia. Dos três candidatos inscritos na consulta prévia, apenas Etienne Biasotto colocou o nome para votação do colégio.

Liane Calarge e Joelson Pereira não quiseram participar da eleição do colégio eleitoral. Há informação não confirmada de que havia um acordo entre os três e que apenas o vencedor da consulta apresentaria o nome ao colégio eleitoral.

Em seu site a UFGD detalhou o processo adotado na eleição. Confira no link.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário