ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEXTA  28    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Dois menores e adulto são suspeitos de cortar pescoço e enterrar homem vivo

Mesmo com pescoço cortado, homem conseguiu escapar de cova e foi socorrido

Por Dayene Paz | 07/12/2021 07:48
Ainda no hospital, Meraldo contou à polícia como foi ferido e enterrado vivo. (Foto: Direto das Ruas)  
Ainda no hospital, Meraldo contou à polícia como foi ferido e enterrado vivo. (Foto: Direto das Ruas)

Dois menores de idade e um adulto são os suspeitos de cortar o pescoço de Meraldo Veríssimo Pereira, 31 anos, e enterrá-lo vivo em Iguatemi, a 412 quilômetros de Campo Grande. O inacreditável é que Meraldo conseguiu escapar da cova, pediu socorro e foi levado ao hospital. Ele já recebeu alta nesta segunda-feira (06).

Ainda no Hospital São Judas, o próprio indígena - morador no assentamento Rancho Loma - informou os apelidos dos suspeitos, que seriam seus colegas de trabalho e teriam agido depois de uma briga. A Polícia Civil os identificou e já faz diligências para localizá-los. No entanto, os nomes dos autores não foram informados.

Homem teve pescoço cortado e foi enterrado. (Foto: Portal Itudo)
Homem teve pescoço cortado e foi enterrado. (Foto: Portal Itudo)

O caso aconteceu na noite de quinta-feira (dia 2). Para a polícia, Meraldo contou sobre o que lembrava da noite do crime e como conseguiu escapar da cova.

"Era noite, eu não lembro de nada da discussão, quando fui ver, o rapaz já me deu chute e me derrubou. Eles estavam em três, bateram em mim, depois me levaram e me enterraram, falaram que eu já tinha morrido já. Eles voltaram para o sítio correndo, eu amanheci lá, de manhã cedo, voltei para o sítio e eles estavam carpindo (sic)”, contou, ainda com um pouco de dificuldade na fala.

Foi o dono do sítio que chamou a ambulância e socorreu Meraldo para a unidade de saúde. Os três suspeitos foram expulsos da propriedade e fugiram. “Dois me seguraram e um cortou a minha garganta”, relembrou em depoimento. Ele não soube dizer o motivo da confusão com os colegas de trabalho. No hospital, a informação foi de que mesmo com a gravidade do ferimento, as cordas vocais não foram afetadas.

As investigações são comandadas pelo delegado Eduardo Ferreira de Oliveira, titular da delegacia de Iguatemi.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário