ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Entidade de direitos LGBT repudia espancamento motivado por homofobia

Nyelder Rodrigues | 13/01/2017 23:05
Na imagem, é possível ver jovem antes e depois do espancamento (Foto: Rádio Caçula)
Na imagem, é possível ver jovem antes e depois do espancamento (Foto: Rádio Caçula)

O cabeleireiro Caio Henrique Cruz Lopes, de 27 anos, foi espancado na madrugada de terça-feira (10) por uma dupla na proximidades da praça Senado Ramez Tebet, em Três Lagoas - cidade localizada 338 km de Campo Grande. Além de agredido, o rapaz foi roubado. Ele alega que se trata de homofobia.

Caio contou à Rádio Caçula que estava na praça com amigos e, quando todos foram embora, ele foi ao banheiro. Um homem pediu o isqueiro emprestado no caminho. Na saída do banheiro, ele pediu de volta o isqueiro.

Foi aí que Lopes começou a ser espancado, tendo inclusive o retrovisor de sua motocicleta arrancado e jogado contra a cabeça. Já desmaiado, ele foi jogado em uma vala perto de um córrego da região.

A situação despertou a atenção da população devido a brutalidade e intolerância dos agressores. Em nota, o Secretariado Estadual Diversidade Tucana de Mato Grosso do Sul repudiu a situação, a classificando de covarde "frente à agressão física e moral ao cidadão Caio Lopes".

"A intolerância não pode ser permitida, práticas violentas e covardes precisam ser afastadas com ênfase e sem medo, da nossa convivência. Pela liberdade, pela justiça, pelos direitos humanos de/e para todos e todas", frisa a nota.

O texto também relembra que, a cada 28 horas, um homossexual é morto de forma violenta no Brasil. "Hoje, se uma pessoa sofrer uma agressão física ou verbal, por ser homossexual, ela poderá ir a uma delegacia de polícia prestar queixa, mas não consegue registrar o caso como homofobia porque não existe esse crime na legislação brasileira", comenta.

Presidente do Secretariado Estadual Diversidade Tucana - pasta ligada ao PSDB -, Hosilene de Araújo Lubacheski, afirma que devemos combater a prática de perseguição ou discriminação por qualquer seja o motivo.

Nos siga no Google Notícias