A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

22/08/2016 08:17

Fazendeiros continuam na cadeia e defesa espera liberdade nesta semana

Três proprietários rurais de Caarapó estão presos em Dourados e um em Campo Grande; quinto acusado ainda não se apresentou

Helio de Freitas, de Dourados

Acusados pelo ataque a tiros que deixou seis índios feridos e um morto, no dia 14 de junho deste ano, quatro proprietários rurais de Caarapó, município a 283 km de Campo Grande, passaram o fim de semana na prisão.

Jesus Camacho, Virgílio Mettifogo e Eduardo Yoshio Tomonaga, o “Japonês”, e Nelson Buainain Filho, dono da fazenda Yvu, onde ocorreu o ataque, foram presos quinta-feira (18) pela Polícia Federal, após o juiz da 2ª Vara Federal em Dourados, Leandro André Tamura, decretar a prisão preventiva deles a pedido do MPF (Ministério Público Federal).

Mettifogo, Tomonaga e Camacho foram levados na sexta-feira para a penitenciária de segurança máxima de Dourados, após o juiz federal Moisés Anderson da Costa Rodrigues da Silva negar o pedido verbal para relaxamento da prisão preventiva. Buainain está preso em Campo Grande.

Um quinto pecuarista, Dionei Guedin, também teve a prisão preventiva decretada, mas não foi encontrado pela PF e ainda não se apresentou.

Durante a audiência de custódia, na tarde de sexta-feira (19), o juiz Moisés da Silva considerou não ser o momento oportuno para o pedido de relaxamento da prisão e disse que se manifestaria sobre pedido por escrito, feito na quinta-feira, após parecer do MPF (Ministério Público Federal).

Também continua preso um homem identificado como Paulo Sérgio, funcionário de Dionei Guedin e que foi detido por posse ilegal de arma. Ele não aparece entre os acusados pelo ataque aos índios.

O advogado Maurício Rasslan, que defende Guedin e Paulo Sérgio, disse ao Campo Grande News que o caso foi encaminhado para o Fórum da Justiça Estadual, em Caarapó, mas a juíza local declinou incompetência para a Justiça Federal.

Força-tarefa – De acordo com a assessoria do MPF, a prisão dos ruralistas faz parte da força-tarefa “Avá Guarani”, desencadeada para investigar o ataque armado que resultou em seis índios feridos a tiros e na morte do agente de saúde indígena Clodioude Aquileu Rodrigues de Souza, 26, alvejado por disparos na barriga e no peito.

“De acordo com as investigações, os fazendeiros teriam envolvimento direto com o ataque e podem incorrer nos crimes de formação de milícia privada, homicídio, lesão corporal, constrangimento ilegal e dano qualificado”, afirma o MPF.

Para o Ministério Público Federal, as prisões visam garantir a ordem pública e objetiva evitar novos casos de violência às comunidades indígenas da região – “que já sofreram novo ataque, em 11 de julho, o qual deixou outros três índios feridos, dois deles, adolescentes”.

O ataque aos índios ocorreu no dia 14 de junho, dois dias depois da invasão da fazenda Yvu. Em julho, a Justiça Federal determinou a reintegração de posse da fazenda. A Funai recorreu ao Tribunal Regional Federal, mas o TRF manteve a reintegração. Outras dez propriedades estão ocupadas pelos índios em Caarapó.

Em audiência de custódia à tarde, defesa tenta livrar fazendeiros da prisão
A defesa dos fazendeiros presos ontem (18) por ordem da Justiça Federal acusados pelo ataque armado contra índios em Caarapó, a 283 km Campo Grande, ...
Ação pede a transferência de presos detidos na delegacia de Bonito
O MPE (Ministério Público Estadual) ingressou com ação civil pública pedindo à Justiça que determine a transferência imediata de todos os presos prov...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions