A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

06/09/2019 21:29

Hospital nega atendimento a criança e Samu improvisa socorro

O menino foi "socorrido" pelo Samu na lateral do hospital, para só então dar entrada na própria unidade pela porta de emergência

Adriano Fernandes e Helio de Freitas
Equipe do SAMU chega com vítima de acidente ao hospital da vida, ontem a noite. (Foto: Adilson Domingos) Equipe do SAMU chega com vítima de acidente ao hospital da vida, ontem a noite. (Foto: Adilson Domingos)

Ao levar o filho, de apenas 5 anos, com uma suspeita de fratura no pé para atendimento no Hospital da Vida em Dourados, uma mãe passou por um situação no mínimo inusitada, na noite desta sexta-feira (06). A unidade hospital se negou a atender a criança, pois está recebendo apenas os casos regulados, ou seja, aqueles em que os pacientes são encaminhados pelo Samu (Serviço de Atendimento Médico de Urgência).

Os ferimentos na perna do garoto foram causados após uma queda de bicicleta. Diante da negativa a mãe entrou em contato com o órgão, que encaminhou uma ambulância ao local. O menino foi "socorrido" pelos técnicos do Samu no acesso lateral da unidade na Rua Ciro Melo, para só então dar entrada no próprio hospital pela porta de emergência, virando a esquina na Rua Toshinobu Katayama.

A situação é resultado de uma portaria imposta pela secretária de Saúde da cidade, Berenice de Oliveira Machado Souza, que desde o último sábado (1º) suspendeu por tempo indeterminado o atendimento de casos de menor complexidade da chamada área verde. Com isso, continuam sendo atendidos no local apenas os pacientes traumatizados em situação de urgência e emergência, de média a alta complexidade.

Os casos menos graves em que o próprio paciente ou a família procura o atendimento por conta própria, por exemplo, terão de ser redirecionados para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) ou as UBS (Unidades Básicas de Saúde) de Dourados. Além de limitar o atendimento e gerar transtornos como o desta noite a portaria também pode agravar a crise financeira da unidade.

Conforme apurado pela reportagem, Dourados recebe cerca de R$ 400 mil por mês do Ministério da Saúde, para manter o atendimento de urgência e emergência para toda a população, iindependente se os pacientes tiveram atendimentos regulados ou procuraram espontâneamente.Caso seja constatado que mesmo com o repasse o Hospital da Vida está limitando o atendimento o recurso pode vir a ser suspenso pelo governo federal.

Caos na saúde

O caos no Hospital da Vida foi apontado pela Defensoria Pública em meados de agosto, quando foram constatadas uma série de deficiências em equipamentos e serviços à população; incluindo demora em exames, internação em corredores e falta de insumos.

Em 22 de agosto, porém, apontaram-se melhorias, com troca do sistema de refrigeração e investimentos em equipamentos de esterilização na área de isolamento, bem como reformas em setores como a enfermaria cirúrgica e a remoção de mofo. A inspeção também confirmou a aquisição de medicamentos.

A intervenção na Funsaud teve início em 13 de junho, em meio à falta de recursos para pagamento de fornecedores e profissionais –a empresa que administra as UTIs do HV ameaçou parar de receber pacientes, levando à determinação judicial para manutenção dos serviços no hospital, que é referência para Dourados e outros 33 municípios, em uma população estimada em 800 mil pessoas.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions