A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Maio de 2019

22/04/2019 10:10

Idenor nega corrupção e diz que nunca se encontrou com empresário

Ex-presidente da Câmara foi ouvido quinta-feira na Comissão Processante, mas só hoje depoimento foi divulgado pela defesa

Helio de Freitas, de Dourados
Vereador Idenor Machado, no dia em que era levado de delegacia para presídio, em dezembro (Foto: Adilson Domingos)Vereador Idenor Machado, no dia em que era levado de delegacia para presídio, em dezembro (Foto: Adilson Domingos)

Acusado de chefiar o esquema de corrupção desmontado na Operação Cifra Negra, em dezembro do ano passado, o vereador Idenor Machado (PSDB), que presidiu a Câmara por seis anos (2011 a 2016), prestou depoimento quinta-feira (18) em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

O depoimento dele à Comissão Processante que apura quebra de decoro, não tinha sido divulgado e só hoje (22) foi informado ao Campo Grande News por Felipe Cazuo Azuma, um dos advogados que atuam na defesa do vereador tucano.

Segundo o advogado, a Comissão Processante aproveitou a data em que seria ouvido o empresário campo-grandense Denis da Maia – arrolado como testemunha de defesa – para colher  o depoimento de Idenor. Denis da Maia também foi denunciado no mesmo esquema, mas pediu dispensa do depoimento.

“Idenor disse à comissão que assumiu a Câmara com um dos contratos [com as empresas acusadas de pagar propina a vereadores e servidores] já em andamento e não tinha condições de saber se a empresa tinha ou não alguma coisa errada. Ele não tinha ciência do que tinha acontecido com a empresa alvo de operação anteriormente. Ele se sente isento de qualquer responsabilidade”, afirmou Felipe Azuma.

Segundo o advogado, Idenor Machado afirmou ser isento de qualquer responsabilidade sobre suposto conluio entre as empresas que disputavam as licitações da Câmara. “Ele nunca teve contato com o empresário e nunca fez qualquer pedido para beneficiar quem quer que fosse”.

O Ministério Público aponta Idenor Machado como o chefe do esquema de corrupção envolvendo empresas de tecnologia, supostamente contratadas a preços superfaturados em troca de propina.

Segundo a denúncia, os pagamentos eram feitos em espécie por Denis da Maia diretamente a Idenor ou a seus emissários, um deles Pastor Cirilo Ramão. Pedro Pepa, conforme a denúncia, era o subchefe do esquema.

Últimos depoimentos - Termina hoje a fase de depoimentos nas comissões processantes abertas em fevereiro contra os quatro vereadores acusados de quebra de decoro.

As últimas quatro testemunhas, arroladas pela vereadora Denize Portolann (PR), estão sendo ouvidas nesta manhã, no Plenarinho da Câmara. O prazo para entrega dos relatórios finais termina no dia 19 de maio. Em seguida os documentos serão votados em plenário.

Presa no dia 31 de outubro do ano passado na Operação Pregão, Denize passou quase cinco meses na cadeia, acusada de participar de esquema de corrupção no setor de licitação da prefeitura.

Dos quatro vereadores afastados e em processo de cassação – os outros são Idenor Machado, Pastor Cirilo Ramão (MDB) e Pedro Pepa (DEM) – apenas Denize não é acusada de crimes supostamente cometidos no exercício do mandato.

Na época das irregularidades, segundo o MP, Denize era secretária municipal de Educação (ocupou o cargo de fevereiro de 2017 a janeiro de 2018). Ela só assumiu na Câmara em setembro de 2018, após a Justiça determinar a extinção do mandato de Braz Melo (PSC).

A vereadora está afastada do mandato por ordem judicial, assim como os outros três acusados. Ela prestou depoimento na semana passada, mas o teor não foi divulgado.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions