A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

02/03/2016 10:35

Índios culpam obra de duplicação da MS-156 por alagamento de casas

Rodovia está bloqueada entre Dourados e Itaporã; apenas ambulâncias são liberadas e passageiros terminam viagem a pé

Helio de Freitas, de Dourados
Residências na margem da MS-156 estão totalmente alagadas (Foto: Direto das Ruas)Residências na margem da MS-156 estão totalmente alagadas (Foto: Direto das Ruas)

Lideranças indígenas da reserva de Dourados, a 233 km de Campo Grande, culpam a obra de duplicação da MS-156 pelo alagamento das margens da rodovia, no trecho em frente à aldeia Jaguapiru. Leomar Mariano, um dos líderes dos guarani-kaiowá e terenas que habitam a reserva local, disse que antes da obra não havia o acúmulo de água da chuva existente atualmente.

“Esse problema começou depois da duplicação. Algum procedimento para escoamento da água deixou de ser feito e agora pelo menos dez famílias estão com as casas alagadas desde a semana passada”, afirmou ele ao Campo Grande News.

Por meio da assessoria de imprensa, a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos de Mato Grosso do Sul) informou que “não tem o que fazer” diante do problema, já que o alagamento ocorreu por causa do grande volume de água. Entretanto, o órgão promete enviar um coordenador para a região, para verificar o problema.

Bloqueio – Em protesto contra o alagamento das casas, os índios bloquearam nesta manhã a MS-156 na altura da rotatória de acesso à reserva. Troncos de madeira foram colocados no meio da pista e apenas ambulâncias podem passar. Alguns passageiros de ônibus que fazem a linha entre Dourados e Itaporã desceram dos veículos e seguiram a viagem a pé.

Mariano disse que não há previsão de quando o bloqueio será encerrado. Eles aguardam a presença de representantes do governo do Estado e prometem abrir valetas nas laterais da rodovia para escoamento da água.

Prejuízo de 20 mil – Entre as residências alagadas nas margens da estrada está uma mercearia, que atende moradores das aldeias. O dono do estabelecimento comercial disse que tinha renovado o estoque e agora tem prejuízo de pelo menos R$ 20 mil, já que a mercearia foi alagada. A casa em anexo também foi inundada pela água da chuva.

Leomar Mariano reclamou da falta de atendimento às famílias. Segundo ele, desde a semana passada as casas estão alagadas. “Nem Corpo de Bombeiros, nem Defesa Civil. Ninguém veio aqui”.

Água inunda cozinha de residência na margem da MS-156 (Foto: Direto das Ruas)Água inunda cozinha de residência na margem da MS-156 (Foto: Direto das Ruas)
Sicredi faz doação para reformas de quartos no Lar do Idoso de Dourados
A agência Integração do Sicredi de Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - fez a doação de recursos para a reforma de 14 quartos no L...
UFMS oferece 16 vagas para professor de nível superior em Três Lagoas
Será aberto no próximo dia 1º de janeiro pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) as inscrições para preencher 16 vagas para professore...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions