A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 17 de Agosto de 2019

13/08/2019 18:00

Justiça rejeita ação do MPF contra lista tríplice para reitoria da UFGD

Audiência foi realizada na tarde desta terça-feira, na 1ª Vara Federal de Dourados, a 228 km de Campo Grande

Gabriel Neris, Geisy Garnes e Helio de Freitas, de Dourados
Reitoria da UFGD virou alvo da justiça (Foto: UFGD/Divulgação)Reitoria da UFGD virou alvo da justiça (Foto: UFGD/Divulgação)

O juiz Moisés Anderson Costa Rodrigues da Silva, da 1ª Vara Federal, julgou como improcedente a ação do MPF (Ministério Público Federal) sobre o impasse envolvendo a lista tríplice para a reitoria da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados).

A audiência foi realizada na tarde desta terça-feira (13), em Dourados, município localizado a 228 km de Campo Grande.

Elaborada pela UFGD após a eleição interna feita em março, a lista tríplice foi questionada pelo MPF, que apontou irregularidade pelo fato de apenas o primeiro colocado na eleição – Etienne Biasoto – ter sido incluído do documento enviado ao MEC (Ministério da Educação). Os outros dois nomes, Jones Dari Goettert e Antônio Dari Ramos, não participaram do pleito, mas se candidataram para compor a lista. A norma interna da UFGD permite esse tipo de procedimento.

A Justiça Federal em Dourados chegou a suspender a lista tríplice, mas depois reconheceu a autonomia da universidade e manteve os nomes indicados ao MEC. Entretanto, o MPF recorreu ao TRF (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região e conseguiu liminar para manter a suspensão.

Em meio ao impasse, no dia 10 de junho o ministro da Educação Abraham Weintraub nomeou como reitora temporária a professora da pedagogia Mirlene Ferreira Macedo Damázio. Há quase 60 dias no cargo, ela tem sido alvo de protestos de estudantes e servidores, que consideram a nomeação intervenção do MEC na autonomia da UFGD.

Foram colhidos os depoimentos de Etienne Biasotto, de Liane Maria Calarge e de Joelson Gonçalves Pereira (terceiro colocado na eleição interna), como objetivo, segundo o procurador, apurar o contexto em que foi assinado o termo de não candidatura perante o colégio eleitoral dos candidatos derrotados na consulta à comunidade acadêmica. 

Esse teria sido o motivo, segundo a reitoria da época, para os nomes dos outros dois candidatos na eleição interna não terem sido incluídos na lista enviada ao MEC. Cabe recurso do MPF.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions