ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  11    CAMPO GRANDE 14º

Interior

Ministro admite corte, mas diz que Sisfron não para por falta de dinheiro

Oficiais do Exército afirmam que sistema recebeu até agora menos da metade dos recursos previstos; Aldo Rebelo disse que implantação continua “assim como foi ano passado”

Por Helio de Freitas, de Dourados | 12/02/2016 14:57
Representantes de países árabes assistem a apresentação sobre o Sisfron; projeto não para, garantiu ministro (Foto: Eliel Oliveira)
Representantes de países árabes assistem a apresentação sobre o Sisfron; projeto não para, garantiu ministro (Foto: Eliel Oliveira)

O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, admitiu hoje (12) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, que o Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteira) tem sofrido cortes em função do contingenciamento de recursos adotado pelo governo federal, mas garantiu que, mesmo com menos dinheiro, o projeto não deixará de ter continuidade.

Implantado para fase de testes em 2013 na fronteira com o Paraguai, o projeto-piloto atinge uma área de 500 km de Mundo Novo a Bela Vista, mas oficiais do próprio Exército afirmam que em 2014 e 2015 o Sisfron recebeu menos da metade dos recursos previstos. A falta de dinheiro pode alterar a previsão inicial de implantar o sistema em todos os 17 mil km de fronteiras brasileiras em 12 anos.

“O Sisfron é um dos projetos estratégicos do Ministério da Defesa e do Exército e vamos manter os investimentos, porque o sistema é importante para o Brasil e tem despertado o interesse de todo o mundo, como prova a visita de 17 embaixadores de países da Liga Árabe”, afirmou Rebelo.

Segundo o ministro o Sisfron está “protegido” pelo governo federal, mesmo com os cortes. “Todos os programas do governo receberam menos recursos porque o país vive uma fase de ajuste e isso atinge as ações de defesa, de saúde, de educação, transporte, moradia. O que estamos assegurando é que os investimentos não cessarão e o Sisfron não vai sofrer nenhum prejuízo na sua continuidade por causa de uma redução momentânea de recursos”.

Questionado se os cortes não comprometeriam a execução do projeto, o ministro afirmou que o Sisfron teve continuidade em 2015, mesmo com menos dinheiro que o previsto. “Não comprometeram ano passado e não vão comprometer neste ano”.

Dilma vem conhecer Sisfron – Aldo Rebelo disse que já existe uma visita programada da presidente Dilma a Dourados para conhecer o sistema de monitoramento de fronteiras, como fizeram hoje os representantes da Palestina, Catar, Líbano, Kuait, Tunísia, Líbia, Mauritânia, Argélia, Emirados Árabes Unidos, Egito, Sudão, Iraque, Liga Árabe, Marrocos e Jordânia.

A vinda da presidente para conhecer o Sisfron chegou a ser agendada para o dia 21 de dezembro do ano passado, mas três dias antes, logo após abrir credenciamento dos jornalistas para o evento, o Palácio do Planalto cancelou a visita para cumprir agenda em Salvador (BA).

O ministro da Defesa disse que o projeto do Sisfron tem demonstrado ser totalmente viável, que deveria ser comercializado para outros países e dessa forma gerar riqueza para o Brasil. “Não apenas defendemos como estimulamos que o projeto será repassado para outros países, desde que adaptado à realidade de cada nação. Após a visita de hoje, os embaixadores poderão repassar aos ministros de Defesa de seus países o conhecimento que estão tendo aqui”.

Nos siga no Google Notícias