ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  07    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Morador de rua que teve 70% do corpo queimado continua internado

Apesar disso, Roberto Pedro está comunicativo e consciente. Ele está na Santa Casa desde o dia 3 de abril

Por Geisy Garnes e Liniker Ribeiro | 23/04/2019 14:15
Vítima foi socorrida pelo Samu na madrugada do dia 3 (Foto: André Barbosa / JPNews)
Vítima foi socorrida pelo Samu na madrugada do dia 3 (Foto: André Barbosa / JPNews)

O morador de rua e catador de latinhas Roberto Pedro da Silva, de 46 anos, que teve 70% do corpo queimado enquanto dormia em Três Lagoas – a 338 quilômetros de Campo Grande – continua internado no CTI (Centro de Terapia Intensiva) da Santa Casa. Uma das suspeitas do atentado está presa.

De acordo com a assessoria de comunicação do hospital, após dias sedado e entubado, o paciente está consciente e comunicativo, apesar de continuar internado na CTI.

Roberto sofreu queimaduras de 1º e 2º graus no tórax, braços, mãos e pescoço na madrugada do dia 3 de abril. Ele chegou a ficar internado por algumas horas no Hospital Auxiliadora, mas por conta da gravidade dos ferimentos foi transferido para a Santa Casa, referência em tratamento de queimaduras, no fim da tarde do mesmo dia.

Para a polícia, o homem ainda contou que estava dormindo em uma casa abandonada quando percebeu alguém se aproximar, jogar algo sobre o corpo dele e atear fogo. Roberto levantou em chamas, saiu gritando por socorro e se debatendo pela proximidade de uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da cidade, onde foi socorrido.

Uma mulher de 34 anos foi presa por policiais SIG (Setor de Investigações Gerais) no dia seguinte ao crime como autora do atentado. Ela e o marido foram apontados como suspeito, mas o homem não foi encontrado. Na casa dela, ainda foram apreendidas porções de maconha e pedras de crack.