ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  25    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Sangue não para: casal é executado a 100 metros de onde homem foi morto ontem

Sobe para três o número de assassinatos em menos de 24 horas na região de fronteira

Por Helio de Freitas, de Dourados | 04/03/2021 15:13
Corpos de homem e mulher ainda não identificados, em Ponta Porã (Foto: Direto das Ruas)
Corpos de homem e mulher ainda não identificados, em Ponta Porã (Foto: Direto das Ruas)

O banho de sangue não para na fronteira seca entre Mato Grosso do Sul e o Paraguai. Mais duas pessoas foram executadas em Ponta Porã, a 323 km de Campo Grande, cidade separada apenas por uma rua da paraguaia Pedro Juan Caballero.

Os corpos de um homem e uma mulher ainda não identificados foram encontrados na tarde desta quinta-feira (4) na margem de uma estrada perto do frigorífico da Friboi/JBS. O local fica a cem metros de onde outro corpo foi encontrado ontem.

Policiais da 1ª Delegacia de Polícia Civil estão no local. A mulher usava blusa com estampa azul e saia jeans e o homem vestia camiseta cinza, bermuda jeans e estava de boné. Os dois corpos estavam de bruços, indício de que tenham sido “desovados” no local.

Com mais essas mortes, sobe para três o número de assassinatos em menos de 24 horas na cidade. Ontem, homem foi encontrado degolado próximo ao local dos corpos de hoje, em estrada de terra do Jardim Monte Alto, a poucos metros da linha internacional que separa o município de Ponta Porã do Paraguai.

Por foto, familiares reconheceram a vítima como sendo Wathylla Pereira Soares, 26, natural de Araguaína (TO), mas residente até o ano passado em Várzea Grande (MT).

Entre 2019 e 2020, pelo menos 175 pessoas foram executadas nas 8 cidades da fronteira com Paraguai pertencentes à base da Delegacia Regional de Ponta Porã – 94 em 2019 e 81 no ano passado.

Além de Ponta Porã, integram a lista Antônio João, Aral Moreira, Amambai, Coronel Sapucaia, Paranhos, Tacuru e Sete Quedas. Nos dois primeiros meses deste ano foram 12 assassinatos nessas cidades.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário