ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 24º

Interior

Morto com 8 tiros em conveniência, homem foi condenado por tráfico

Corpo de Cleomar Antônio Corrêa foi identificado pela Polícia Civil

Helio de Freitas, de Dourados | 12/09/2022 12:14
Policiais em frente à conveniência onde Cleomar foi morto por dois homens de moto (Foto: Adilson Domingos)
Policiais em frente à conveniência onde Cleomar foi morto por dois homens de moto (Foto: Adilson Domingos)

A Polícia Civil confirmou na manhã desta segunda-feira (12) a identidade do homem morto com oito tiros dentro de uma conveniência na região leste de Dourados, a 251 km de Campo Grande. O crime ocorreu no início da madrugada.

Cleomar Antônio Corrêa, 39, o “Tchê”, tinha sido condenado em julho do ano passado a quatro anos e quatro meses de prisão por tráfico de drogas, mas estava em liberdade após recorrer da pena e conseguir efeito suspensivo cinco meses após a sentença.

Natural de Maravilha (SC), onde também tinha antecedentes por tráfico de drogas, Cleomar foi preso em janeiro de 2019 armazenando droga em sua casa, na Rua Cabral, no Jardim Monte Líbano – na mesma região onde ele foi morto hoje.

Na casa, perto de uma escola pública, policiais militares encontraram 3,5 quilos de crack, balança de precisão, R$ 805 em dinheiro, cartões de crédito, documentos de veículos e aparelhos eletrônicos. Naquele dia, ele estava sendo procurado pela Justiça de Dourados, por falsa identidade.

Apesar de todos os indícios de que a casa de Cleomar funcionava como ponto de distribuição de drogas, ele negou a venda direta para dependentes químicos e disse que apenas guardava a droga para um conhecido.

A alegação convenceu o juiz Marcus Vinícius de Oliveira Elias, da 2ª Vara Criminal. Ao condenar o réu a quatro anos e quatro meses de reclusão em regime semiaberto, no dia 1º de julho de 2021, o magistrado rejeitou aumentar a pena por comércio de droga perto de escola, como determina a lei 11.343, de 2006.

“Nenhum usuário de drogas fora preso no local para confirmar que a residência do réu era uma boca de fumo, tanto que as drogas estavam em tabletes, não em pequenas porções ou paradinhas”, afirmou o magistrado.

Cleomar Corrêa, no dia em que foi preso, em 2019 (Foto: Divulgação)
Cleomar Corrêa, no dia em que foi preso, em 2019 (Foto: Divulgação)

Assassinado – Por volta de 0h30 de hoje, Cleomar Corrêa conversava com outra pessoa dentro de um carro em frente a uma conveniência localizada no cruzamento das ruas Hiran Pereira de Matos e Ivinhema, no Jardim Santa Brígida.

Quando Cleomar desceu do veículo, o criminoso chegou de moto e começou a atirar na direção dele. Cleomar correu para dentro da conveniência, mas caiu na porta dos fundos e morreu. Segundo a polícia, ele foi atingido por oito tiros.

Ainda não há informações se o atirador estava sozinho ou se havia outra pessoa na moto. A perícia recolheu cápsulas deflagradas de revólver calibre 38, indicando que ele recarregou a arma e jogou as cápsulas vazias no local do crime.

Nos siga no Google Notícias