A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Junho de 2017

04/07/2012 10:40

MPF investiga cobrança de pedágio em rodovia que dá acesso a Bolívia

Aline dos Santos
Rodovia dá acesso ao país vizinho. (Foto:Divulgação)Rodovia dá acesso ao país vizinho. (Foto:Divulgação)

A pedido da Câmara Municipal de Corumbá, o MPF (Ministério Público Federal) instaurou inquérito civil para apurar a quem cabe explorar o pedágio na rodovia Ramon Gomes, trecho da BR-262 que dá acesso a Bolívia, e como são aplicados os recursos arrecadados. O legislativo municipal alega que causa “estranheza” o fato de a municipalidade explorar o pedágio em uma rodovia federal.

O MPF solicitou ao Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) que informe se o trecho da rodovia no qual está localizado o pedágio integra a BR-262 e por que o serviço é explorado pela prefeitura. Ao Poder Executivo, foi pedido esclarecimento detalhado sobre a destinação dos recursos arrecadados.

No último dia 11 de junho, durante pronunciamento na Câmara, o vereador Oseas Ohara Oliveira (PMDB) pediu apuração sobre o pedágio. Segundo ele, trata-se de um “mistério”, pois não há prestação de contas. “Recentemente a prefeitura realizou até uma licitação de R$ 250 mil para reforma da parte elétrica, pintura e troca de meia dúzia de luminárias”, afirmou. Ohara é marido de Solange Alves de Oliveira, candidata à prefeitura de Corumbá.

Na ocasião, o vereador declarou que a Câmara Municipal já encaminhou dezenas de requerimentos ao prefeito Ruiter Cunha (PT), solicitando explicações sobre o dinheiro arrecadado do pedágio.

A assessoria de imprensa da prefeitura informa que parte do valor arrecadado é destinada para entidades sociais, hospital e manutenção da rodovia, com ações de recapeamento e instalação de luminárias no trecho de 4,5km.

A divisão é feita da seguinte forma: de segunda a sábado, o valor arrecadado fica para a prefeitura, que destina 80% para manutenção e 20% para o Hospital de Caridade; aos sábados e feriados, o valor é repassado às entidades assistenciais, elencadas pelo Conselho Municipal de Assistência Social.

Nestas datas, a prefeitura retira os cinco funcionários e voluntários das entidades trabalham no local, acompanhado por guardas municipais. O pedágio funciona das 7h às 19h.

Conforme a assessoria de imprensa, a arrecadação mensal da prefeitura gira em torno de 38 mil por mês. O pedágio custa R$ 1 real para carro, R$ 1,90 para ônibus e R$ 3,25 para caminhões e carretas.

Adolescente é apreendido após decepar orelha de homem em aldeia
Um adolescente de 13 anos foi apreendido após decepar parte da orelha de um homem na noite de sábado (24) na aldeia Bororó em Dourados, a 233 km de C...
Homem é esfaqueado após defender irmã de ex-cunhado durante discussão
Um homem de 29 anos foi ferido com duas facadas após defender sua irmã, que é ex-namorada do suspeito, durante uma discussão no inicio da manhã deste...



Seria interessante também esclarecer melhor a cobrança de pedádio na ponte sobre sobre o Rio Paraguai, BR-262. Se a rodovia é federal, a ponte foi construída com recursos públicos e a estrada é mantida pela uniãos (tudo com impostos), por que cobrar ainda mais, com o pedágio, do usuário?
 
Ronaldo Regis em 04/07/2012 11:56:22
Alguem deixou de receber sua parte, ai fizeram a denúncia..
 
Luciano Lima em 04/07/2012 03:35:58
ESTRANHO SÓ AGORA QUE RESOLVERAM VER ESTE FATO PORQUE?A ANOS QUE ESTE PEDAGIO É COBRADO
 
claudinei braz de lima em 04/07/2012 03:05:38
seria interessante também verificar quem são os responsáveis pela empresa que administra o pedágio da ponte sobre o rio Paraguai, pois também é trecho de rodovia federal com o pedágio sendo explorado pelo Estado, além do quê o pedágio seria cobrado apenas durante o pagamento do empréstimo para construção da ponte.
 
marcio leite em 04/07/2012 02:06:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions