ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  09    CAMPO GRANDE 30º

Interior

No mapa "pintado" pela covid-19, oito cidades ainda são ilhas sem a doença

Em cada região de Mato Grosso do Sul, pelo menos 1 município resiste sem casos registrados de coronavírus

Por Leonardo Rocha (*) | 03/07/2020 14:38



No mapa da covid-19 em Mato Grosso do Sul, três meses após a pandemia chegar por aqui 8 municípios resistem, sem nenhum caso da doença oficialmente registrado. Até ontem, eram 9, mas Figueirão deixou de ser uma das "ilhas" livres do coronavírus nesta sexta-feira, com 1 caso registrado.

No dia 1º de junho, quando o Estado tinha apenas 1.568 casos e 20 mortes, 50 cidades tinham oficializado a chegada do vírus. Agora, a covid-19 se espalha por 71 municípios, o que equivale a 90% do território.

As prefeituras que ainda não registraram casos no Estado, seguem com medidas de restrição como barreiras, toque de recolher, uso de máscaras e aulas suspensas. Tem até quem limite o acesso as lojas a 1 pessoa por vez.

Nenhuma perdeu a esperança de continuar sem a doença, apesar de admitir que é questão de dias o contágio, que deve chegar pelas cidades vizinhas.

Visão panorâmica da entrada da cidade de Dois Irmãos do Buriti (Foto: Eddemir Rodrigues - Governo MS)
Visão panorâmica da entrada da cidade de Dois Irmãos do Buriti (Foto: Eddemir Rodrigues - Governo MS)

Vizinhos - “Nossa preocupação é quem vem de fora, por enquanto não temos casos confirmados e vamos continuar com nossas medidas de restrição”, disse o prefeito de Dois Irmãos do Buriti, Edilson Zandona de Souza (PSDB).

Ele citou barreira sanitária na entrada do município, além de toque de recolher a partir das 21h e uso obrigatório de máscaras. “Também apostamos muito na conscientização das pessoas, tanto que fazemos vários comunicados pelo rádio”.

Já no município de Pedro Gomes, outra cidade sem registro de covid, existem duas barreiras sanitárias. “Requisitamos que só entre na cidade parentes de moradores, entregadores e proprietários de comércios ou terrenos na região, pois o perigo agora é justamente o visitante”, alertou o prefeito Willian Luiz Fontoura (PSDB).

O prefeito reconhece que é “improvável” a cidade ficar sem o registro da doença, no entanto, quer retardar o máximo possível. “Quem sabe dá tempo de melhorar o tratamento com remédios e até vacina? Se tivermos pacientes eles terão que ser levados até Costa Rica, que fica a 300 km daqui”.

Via pública do município de Sete Quedas, em Mato Grosso do Sul (Foto: Divulgação)
Via pública do município de Sete Quedas, em Mato Grosso do Sul (Foto: Divulgação)

Preocupação – O prefeito de Sete Quedas, Francisco Piroli (PSDB), integra a Macrorregião de Dourados, epicentro da covid. Ao lado de Japorã é um dos 2 nessa região a resistir firme sem o coronavírus. “Os municípios ao redor está crescendo. Não sabemos até onde vamos, se Deus abençoar, vai dar tudo certo".

Como existe apenas uma entrada na cidade, fica mais fácil o controle. Logo quando começou a pandemia, foi instalada uma barreira sanitária. “Além de a medir temperatura, a medida foi colocar em quarentena quem chegava de fora. Estamos precavido 24h por dia, isto tem feito a diferença”.

Já em Antônio João, o vice-prefeito Kamil Hazine (PP) acredita que o município está sem casos de coronavírus porque tem adotado todos os cuidados e precauções necessárias. “Temos a barreira, órgãos comerciais com medidas de prevenção, uso de máscaras e a população está atendendo o distanciamento”.

Ele citou que a cidade já teve 12 casos descartados da doença. “Por esta razão ficamos com um pouco de medo, vamos ser mais rigorosos, já lançamos um decreto que diminui o acesso aos pontos comerciais, para não haver fila, tendo uma pessoa por vez no comércio”.

Além das cidades de Sete Quedas, Antônio João, Pedro Gomes e Dois Irmãos do Buriti, mais quatro municípios ainda não registraram casos da doença no Estado: Jaraguari, Nioaque, Anaurilândia e Japorã.

(*) Colaboraram Aletheya Alves e Guilherme Correia