ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 21º

Interior

Operação Nova Aliança já destruiu 517 toneladas de maconha na fronteira

Ações para eliminar acampamentos e roças da droga ocorrem em morros na linha internacional com MS

Por Helio de Freitas, de Dourados | 03/06/2024 14:58
Agentes observam áreas de cultivo de maconha durante sobrevoo de helicóptero (Foto: Senad)
Agentes observam áreas de cultivo de maconha durante sobrevoo de helicóptero (Foto: Senad)

Pelo menos 517 toneladas de maconha foram destruídas nos seis primeiros dias da 44ª Operação Nova Aliança, iniciada no dia 28 de maio na linha internacional entre o Paraguai e Mato Grosso do Sul.

Desencadeada por agentes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai com apoio de helicópteros da Polícia Federal brasileira, a ação para erradicar lavouras da droga e acampamentos montados pelos traficantes, a operação ocorre em áreas de morro e mata fechada nos arredores de Pedro Juan Caballero, cidade vizinha de Ponta Porã (MS).

Plantadas em clareiras no cume de morros e em clareiras nas matas, as roças são identificadas durante sobrevoos feitos pelos helicópteros da PF e de Forças Especiais do Paraguai e destruídas pelas equipes terrestres.

Em nota, a Senad informou hoje (3) que nos primeiros dias as incursões ocorreram em Alpasa, San Luis, Cerro Sarambí e outros pontos de cultivo da droga.

Em menos de uma semana, foram localizados e desmantelados 91 acampamentos e erradicados 159 hectares de lavouras de maconha. Cada hectare produz pelo menos três toneladas da droga pronta para o consumo.

Nos acampamentos, foram destruídos 38,5 mil quilos da droga picada (antes de ser embalada) e 1.820 quilos prontos para o consumo. A Senad estima em 15,5 milhões de dólares o prejuízo aos traficantes. A operação continua em andamento.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias