ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  14    CAMPO GRANDE 19º

Interior

Perto de assumir liderança, Dourados tem só 5% de infectados em hospitais

Prefeitura informou que 14 pessoas estão internadas, nove em leitos de enfermaria e cinco em leitos de UTI

Por Helio de Freitas, de Dourados | 01/06/2020 12:09
Barreira sanitária instalada há uma semana em Dourados já abordou sete mil pessoas (Foto: A. Frota/Divulgação)
Barreira sanitária instalada há uma semana em Dourados já abordou sete mil pessoas (Foto: A. Frota/Divulgação)

Prestes a se tornar “campeã” estadual em casos de coronavírus, Dourados, a 233 km de Campo Grande, chegou nesta segunda-feira (1º) a 307 pessoas infectadas, segundo boletim divulgado pelo Comitê de Gerenciamento de Crise da Covid-19 em transmissão ao vivo pelas redes sociais. O total tem um caso a mais que o divulgado no boletim estadual.

Apesar do crescimento preocupante do número de casos confirmados nas últimas duas semanas, o comitê local avalia a situação como “tranquila”, já que a maioria das pessoas infectadas está em isolamento domiciliar e não ocupa leitos nos hospitais.

Conforme os números, 206 pessoas estão em isolamento domiciliar e 14 internadas, sendo nove em leitos de enfermaria e cinco em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Das 9 em enfermaria, duas ocupam leitos da rede pública e as demais estão em hospitais particulares. Na UTI, apenas uma ocupa leito público e quatro estão na rede privada.

Levando em conta o total de infectados, o percentual de pessoas internadas é 5%. Já o índice de ocupação de leitos para cem mil habitantes é de 5,9, segundo o comitê. Outras 86 pessoas infectadas já estão recuperadas e sem sintomas.

Nesta segunda-feira, ao receber 2.150 protetores faciais repassados pela Assomasul para serem distribuídos aos profissionais de saúde, a prefeita Delia Razuk (PTB) tentou tranquilizar a população douradense quanto ao avanço dos casos. “Dourados é o epicentro da solidariedade”, afirmou sobre as doações de equipamentos feitas por instituições e empresas.

Délia Razuk disse que as medidas tomadas para conter o avanço do vírus têm garantido a baixa ocupação de leitos e baixo número de óbitos. Na sexta-feira (29) foi confirmada a segunda morte na cidade, uma venezuelana de 27 anos. “Não somos epicentro do coronavírus”, rebateu a prefeita.