ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 14º

Interior

Pioneira no Brasil, Dourados vai vacinar 150 mil pessoas contra a dengue

Maior cidade do interior de MS vai ser primeira do país a fazer imunização em massa contra a doença

Por Helio de Freitas, de Dourados | 14/12/2023 10:58
Vacina Qdenga foi aprovada em abril e já é vendida em clínicas particulares (Foto: Divulgação)
Vacina Qdenga foi aprovada em abril e já é vendida em clínicas particulares (Foto: Divulgação)

Maior cidade do interior de Mato Grosso do Sul com 243,3 mil habitantes, Dourados, a 251 km de Campo Grande, vai ser a primeira do Brasil a fazer vacinação em massa da população contra a dengue. A campanha começa no dia 3 de janeiro de 2024 para imunizar 150 mil moradores de 4 a 59 anos de idade.

O município vai receber 300 mil doses da vacina Qdenga, desenvolvida pela farmacêutica japonesa Takeda e aprovada em abril deste ano pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O imunizante já é vendido há oito meses em clínicas de imunização. Em Dourados, cada dose custa R$ 450 à vista.

Ao Campo Grande News, o secretário de Saúde de Dourados, Waldno Pereira Lucena Júnior, disse que as doses já começaram a chegar à cidade e a pasta prepara a campanha para iniciar a vacinação logo após as festas de fim de ano. Cada morador vai receber duas doses, com intervalo de 3 meses. A vacina garante proteção por cinco anos.

“Fizemos acordo com o laboratório Takeda, que vai fazer o fornecimento gratuito dessas 300 mil doses, que vai nos permitir imunizar 150 mil pessoas. A única limitação dessa vacina é a faixa etária, pois está aprovada para uso entre 4 e 59 anos”, afirmou o secretário.

Segundo ele, a meta é imunizar todo o público-alvo, formado por cerca de 150 mil habitantes (pessoas de 4 a 59 anos). “Quem quiser tomar a vacina, a gente vai vacinar. Já começamos a receber as doses. Além das 300 mil vacinas, o laboratório vai enviar também 300 mil seringas e 300 mil agulhas. Os insumos começam a chegar a partir do dia 19. Vamos montar a logística de distribuição para começar a vacinar no dia 3 de janeiro”.

Waldno explicou que as 33 unidades de saúde do município possuem sala de vacinação e estarão à disposição dos moradores para aplicar a vacina da dengue. “Também vamos reforçar a equipe de vacinação no PAM [Pronto Atendimento Médico] e montar equipe volante para imunizar trabalhadores das empresas do município”.

Waldno Lucena disse que a população não precisa ter medo da vacina, pois a Qdenga já está aprovada, liberada e sendo comercializada na rede privada desde abril deste ano, ou seja, não se trata de nenhum produto experimental.

“Essa vacina é feita com vírus atenuado, não é tecnologia moderna de produção de vacinas como foi no caso da covid-19. É a mesma tecnologia das vacinas que a gente tomou a vida inteira, a mais segura que existe”, afirmou.

O secretário lembrou da necessidade de o douradense aproveitar para se vacinar contra a dengue. O município tem um dos mais altos índices de infestação do mosquito transmissor da doença e cinco pessoas morreram de complicações de dengue em 2023.

“No Brasil, tivemos 1.000 mortes por dengue em 2023. O país responde por 5% da mortalidade por dengue no mundo. Essa vacina confere proteção de 90% contra internação por dengue, que são os casos mais graves. A vacina é eficiente, segura e amplamente testada. Em torno de 20 mil já tomaram a Qdenga no mundo todo”, informou Waldno Lucena.

O secretário reforçou que a vacina a ser aplicada nos douradenses a partir de janeiro é a mesma encontrada na rede privada.

“Numa das clínicas mais renomadas de Dourados, a vacina custa R$ 450 à vista e R$ 480 a prazo. Uma família de cinco pessoas precisa de R$ 4.500 para se proteger contra a dengue. O douradense vai receber a mesma vacina, de graça”. Conforme o secretário, se fosse comprar as doses, o município teria de desembolsar R$ 13,5 milhões.

Profissional de saúde confere temperatura do primeiro lote, que chegou nesta quarta (Foto: Divulgação)
Profissional de saúde confere temperatura do primeiro lote, que chegou nesta quarta (Foto: Divulgação)

A vacina - Em fevereiro deste ano, a CNTBio (Comissão Técnica Nacional em Biossegurança) comprovou a segurança da vacina. O registro havia sido solicitado em abril de 2021 e aprovado em abril passado.

Segundo a SBMT (Sociedade Brasileira de Medicina Tropical), a QDENGA® é baseada em vírus vivo atenuado do sorotipo 2 da dengue, que fornece a estrutura principal genética para todos os quatro sorotipos da vacina e, expõe o indivíduo a vários componentes do vírus que podem ser importantes na proteção contra infecções futuras.

Até o momento é a única vacina aprovada no Brasil para utilização em indivíduos independentemente da exposição anterior à dengue e sem necessidade de teste pré-vacinação. A vacina foi avaliada em 19 ensaios clínicos de Fase 1, 2 e 3 envolvendo mais de 28 mil crianças e adultos.

Receba as principais notícias do Estado pelo WhatsApp. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias