ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  09    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Polícia confirma aborto no caso do feto encontrado em usina de recicláveis

Investigadores têm algumas suspeitas sobre o paradeiro da mãe, mas preferem não divulgar para não atrapalhar o andamento

Por Maressa Mendonça | 10/07/2020 15:23
Entrada do prédio da Delegacia de Polícia Civil de Iguatemi (Foto: A Gazeta Cone Sul)
Entrada do prédio da Delegacia de Polícia Civil de Iguatemi (Foto: A Gazeta Cone Sul)


A Polícia Civil confirma ter ocorrido um aborto no caso do feto de 39 semanas encontrado, na quinta-feira (9), em usina de triagem de materiais recicláveis em Iguatemi, município distante a 466 quilômetros de Campo Grande.  A mãe ainda não foi localizada.

De acordo com o delegado Felipe Rossato, as investigações sobre o caso ainda estão em andamento, mas um dos laudos confirmou o aborto.“A gente desconfiava, a princípio, que poderia ter nascido vivo por causa da formação. O feto estava muito bem formado, mas o perito já disse que não”, informou.

Usina de materiais recicláveis onde o feto foi encontrado (Foto: Divulgação/Prefeitura de Iguatemi)
Usina de materiais recicláveis onde o feto foi encontrado (Foto: Divulgação/Prefeitura de Iguatemi)

Rossato não quis dar outros detalhes sobre o caso porque ainda não recebeu o documento  em mãos. Questionado sobre a possibilidade de ter sido aborto espontâneo ou provocado por meio de alguma substância, o delegado adianta que “a perícia não tem elementos suficientes para indicar uso de qualquer substância, mas é preciso esperar esse laudo para ter certeza”.

Em relação a identificação ou paradeiro da mãe, o delegado informa ter algumas suspeitas, mas nada pode ser divulgado para não atrapalhar as investigações.

O caso - feto de aproximadamente 39 semanas de uma menina foi encontrado dentro de uma sacola junto com fraldas e papel higiênico em usina de materiais recicláveis, em Iguatemi. Em outra embalagem, bem ao lado do corpo, estava a placenta.

Completamente formado, o feto foi recolhido e encaminhado ao IML (Instituto de Medicina Legal) de Naviraí. A Polícia Civil investiga o caso.