ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  09    CAMPO GRANDE 28º

Interior

Polícia descobre outro golpe financeiro comandado de dentro de presídio

Quadrilha fez pelo menos 50 vítimas em Dourados; homem que se passava por funcionário de instituição bancária foi preso

Por Helio de Freitas, de Dourados | 14/07/2020 09:11
Edier Marques Balta é conduzido por agente do SIG (Foto: Divulgação)
Edier Marques Balta é conduzido por agente do SIG (Foto: Divulgação)

Outro golpe comandado de dentro dos presídios foi descoberto em Dourados, a 233 km de Campo Grande. A quadrilha formada por bandidos que se passam por funcionários de instituições financeiras é suspeita de fazer pelo menos 50 vítimas na cidade.

Um dos envolvidos foi preso nesta segunda-feira (13) pelo SIG (Setor de Investigações Gerais), da Polícia Civil. Edier Marques Balta, 26, é natural de Amambai, mas reside em Dourados. Com ele os policiais encontraram celulares, máquina de cartão de crédito e envelope com nome de um aposentado que perdeu R$ 4 mil para os golpistas.

De acordo com o delegado Rodolfo Daltro, chefe do SIG em Dourados, nos últimos dois meses, foram várias ocorrências referentes a estelionato em que o golpista telefona para a vítima se passando por funcionário de instituição financeira e informa ter detectado fraude na conta bancária.

A investigação comprovou que no contato com as vítimas, os estelionatários pediam o cartão da conta bancária e a senha, entregues em envelope. Se passando por funcionários do banco, os bandidos iam até a casa dos clientes, pegavam o cartão e sacavam todo o dinheiro disponível na conta e faziam compras a crédito.

Ontem à tarde, o SIG tomou conhecimento que um douradense tinha entregado o cartão bancário com senha aos golpistas e antes de a quadrilha conseguir efetuar saques e compras, os agentes prenderam Edier Marques Balta.

O envelope encontrado com ele estava rasgado, mas foi colado e o SIG descobriu o nome do idoso, vítima da quadrilha na semana passada. Balta foi autuado em flagrante por tentativa de estelionato e organização criminosa e a polícia pediu a prisão preventiva dele.

Rodolfo Daltro informou que o SIG continua investigando a quadrilha para chegar aos demais membros e identificar os chefes do esquema, atualmente recolhidos na PED (Penitenciária Estadual de Dourados).