ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  02    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Resolução obriga UFGD cobrar passaporte da vacina de alunos e professores

Universidade chegou a informar que não exigiria documento para retorno às atividades presenciais em 2022

Por Ana Paula Chuva e Helio de Freitas, de Dourados | 18/01/2022 16:28
Campus da UFGD em Dourados (Foto: Arquivo)
Campus da UFGD em Dourados (Foto: Arquivo)

Com data de 18 de novembro de 2021, uma resolução da CEPEC (Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura) da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), determina a exigência do comprovante de vacina para o retorno das aulas e demais atividades presenciais em 2022.

No início de janeiro, a UFGD chegou a informar ao Campo Grande News que não faria a exigência da comprovação da vacina para alunos e professores. No entanto no último dia 14, após ser questionada novamente a instituição não disse se manteria a exigência.

Nesta terça-feira (18), documento enviado à reportagem, mostra que em reunião no mês de novembro, o CEPEC decidiu aprovar a exigência do comprovante da vacina para docentes, técnicos e estudantes e a medida não foi vetada.

Resolução mostra que decisão foi de exigir o comprovante de vacinação (Foto: Reprodução)
Resolução mostra que decisão foi de exigir o comprovante de vacinação (Foto: Reprodução)

Após isso, no dia 30 de novembro o MEC (Ministério da Educação) fez um despacho onde informou que as instituições não poderiam cobrar o passaporte, mas o documento foi suspenso pelo ministro Ricardo Lewandowski, deixando assim a UFGD obrigada a exigir o comprovante de vacina, já que a resolução não foi revogada.

Questionada nesta tarde, a instituição respondeu que exigirá o comprovante de vacina, mas que isso não impedirá o acesso às salas de aula e demais espaços da instituição. Em nota, a UFGD explicou que decidiu "retornar às aulas e demais atividades didático-pedagógicas, na modalidade presencial (Fase Verde), a partir do dia 01 de fevereiro de 2022."

* Matéria editada para acréscimo de informações.

Nos siga no Google Notícias