ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEXTA  22    CAMPO GRANDE 32º

Interior

Secretário denuncia ter sido ameaçado por pai de vereador acusado de assédio

José Jorge Filho registrou boletim de ocorrência contra Archimedes Ferrinho, pai do vereador Maurício Lemes, acusado segunda-feira de apalpar uma colega de Legislativo

Por Helio de Freitas, de Dourados | 11/06/2015 08:43
O secretário de Governo José Jorge Filho entre Maurício Lemes (à esq.) e o presidente da Câmara Idenor Machado (Foto: Divulgação)
O secretário de Governo José Jorge Filho entre Maurício Lemes (à esq.) e o presidente da Câmara Idenor Machado (Foto: Divulgação)

O escândalo envolvendo um vereador acusado de assediar uma colega de Legislativo na noite de segunda-feira ganhou mais um capítulo ontem e mais uma vez foi parar na delegacia da Polícia Civil em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

José Jorge Filho, o Zito, registrou um boletim de ocorrência ontem à tarde, denunciando por ameaça o ex-presidente da Câmara Archimedes Lemes Soares, o Ferrinho.

Pai do vereador Maurício Lemes Soares (PSB), que foi acusado de apalpar as nádegas da vereadora Virgínia Magrini (PP) na sessão de segunda-feira, Ferrinho teria ameaçado agredir o secretário de Governo por culpá-lo pelo “vazamento” do episódio à imprensa.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na 1ª Delegacia de Polícia de Dourados, no final da tarde de terça-feira, Archimedes Lemes Soares, de 66 anos, que presidiu a Câmara de Dourados no início da década de 90, teria ligado no celular de José Jorge Filho e prometido lhe aplicar uma surra quando chegasse à cidade. Ele estaria na Bahia. Zito tem 61 anos de idade.

Maurício Lemes, acusado pela vereadora Virgínia Magrini de passar a mão em suas nádegas na sessão de segunda-feira à noite, é da base aliada e companheiro de partido do prefeito Murilo Zauith (PSB). Entretanto, o vereador e o secretário de Governo são desafetos.

Não conhece – Archimedes Ferrinho disse ao site Dourados News que nem sequer conhece o secretário de Governo e que não teria nada a declarar sobre a denúncia de ameaça.

A presidência da Câmara de Dourados ainda não se pronunciou sobre a denúncia de assédio, feita por Virgínia Magrini contra Maurício Lemes. Também não houve até agora nenhuma manifestação por parte da Comissão de Ética e Decoro, informada sobre o episódio ainda na sessão de segunda-feira.

Foi brincadeira – Maurício Lemes, que no mesmo dia do ocorrido pediu desculpas para a colega de Legislativo, afirma que foi apenas uma “brincadeira” e que a intenção era cutucar as costas de Virgínia. Já a vereadora afirma ter sido apalpada nas nádegas e na denúncia que fez à Delegacia da Mulher citou três assessoras como testemunhas.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário