ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  02    CAMPO GRANDE 15º

Interior

Substituto do "Bonitão" é preso com fuzis e 13 comparsas do PCC

Weslley Neres Dos Santos, o "Bebezão" foi flagrado em "assembleia" da facção criminosa

Por Adriano Fernandes e Helio de Freitas | 23/03/2021 20:03
Policiais e os criminosos presos, diante do arsenal apreendido nesta terça-feira (23). (Foto: Direto das Ruas) 
Policiais e os criminosos presos, diante do arsenal apreendido nesta terça-feira (23). (Foto: Direto das Ruas)

Quatorze integrantes da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) foram presos com um arsenal em operação da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai, nesta terça-feira (23), em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha de Ponta Porã, a cerca de 323 quilômetros de Campo Grande.

Weslley Neres Dos Santos, o "Bebezão". (Foto: Direto das Ruas)
Weslley Neres Dos Santos, o "Bebezão". (Foto: Direto das Ruas)

Entre os presos está Weslley Neres Dos Santos, conhecido como "Bebezão", possível substituto de Giovanni Barbosa da Silva, o “Bonitão” do PCC, na chefia das ações criminosas da facção na fronteira do Paraguai.

Conforme divulgado pelas forças policiais paraguaias, o grupo foi encontrado em um residência enquanto realizava uma "assembleia" sobre os próximos crimes do bando.

No local foram encontrados pelo menos cinco veículos, carregadores e dezenas de munições, cinco fuzis, colete à prova de balas, dinheiro e celulares usados pelo grupo.

A operação foi resultado do trabalho conjunto entre a Senad e a Polícia Federal do Brasil, no âmbito da Operação Fronteira Segura II.

O Bonitão - Ex-chefe do PCC no Paraguai, “Bonitão” foi preso com um fuzil em 9 de janeiro deste ano, ao ser abordado pela polícia paraguaia em caminhonete na cidade de Pedro Juan Caballero. Na madrugada seguinte, houve tiroteio e tentativa frustrada de resgatá-lo da custódia por integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital). Giovanni então foi extraditado ao Brasil e encaminhado para uma penitenciária federal.

Ele operava em completo anonimato na fronteira, mas sua presença como nova liderança do PCC na região veio a público após a chacina de quatro homens ligados ao cartel liderado por Fahd Jamil, o “Fuad”, no final de novembro.

***Matéria edita às 21h45 para correção de informação;  Senad divulgou inicialmente que haviam sido presas 16 pessoas, mas em seguida corrigiu informação. 


Nos siga no Google Notícias

Veja Também

Regras de comentário