ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  26    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Suspeito de furtos em fazendas é baleado ao atirar contra policiais

Ferimento ocorreu durante cumprimento de mandado de prisão, na Aldeia Jaguapiru

Por Helio de Freitas, de Dourados | 06/12/2021 12:10
Policiais na casa de líder da quadrilha, na Jaguapiru, em fevereiro de 2020. (Foto: Adilson Domingos)
Policiais na casa de líder da quadrilha, na Jaguapiru, em fevereiro de 2020. (Foto: Adilson Domingos)

Suspeito de integrar quadrilha especializada em furtos de máquinas agrícolas e agrotóxico de propriedades rurais, Ian Cabreira Rodrigues, 21, foi ferido com tiro na perna direita ao tentar fugir de policiais civis na manhã desta segunda-feira (6), em Dourados, a 251 km de Campo Grande.

O caso ocorreu por volta de 9h30, na Aldeia Jaguapiru, que junto com a Bororó, forma a Reserva Indígena de Dourados. Ian é da etnia terena.

Ele seria genro do homem apontado como o líder da quadrilha, Carlos Fischer, que já foi preso várias vezes por furtos em propriedades rurais de vários municípios de Mato Grosso do Sul. Atualmente, ele está em liberdade.

Segundo informações apuradas no local da ocorrência, agentes do SIG (Setor de Investigações Gerais), da Polícia Civil, foram até a aldeia para prender Ian por determinação da comarca de Fátima do Sul.

Quando chegaram ao local, ele saiu correndo e teria atirado contra os policiais, que revidaram. Baleado na perna, Ian continuou em fuga até ser preso e socorrido pelos próprios policiais.

Outra equipe foi chamada e fez buscas para tentar localizar a arma que o rapaz estava usando e também o celular que Ian jogou no mato, mas nada foi encontrado. A suspeita é que outras pessoas tenham recolhido o revólver e o telefone.

Big Fischer – Apontado como chefe da principal quadrilha de ladrões de Mato Grosso do Sul especializada em furtos em fazendas, Carlos Fischer, 43, cultiva, segundo a polícia, pelo menos 500 hectares de soja usando defensivos agrícolas, sementes e máquinas levados das propriedades alheias.

Casado com uma mulher de etnia indígena, Fischer mora em casa de alto padrão na Aldeia Jaguapiru, onde mantém oficina mecânica e cascalheira, empresas de fachada, segundo a polícia. Em fevereiro deste ano, ele foi preso na Operação Big Fish (peixe grande, em inglês) e levado para a PED (Penitenciária Estadual de Dourados).

Outro genro de Carlos Fischer, Matheus Ricciardi Sobrinho, 36, também já foi preso acusado de integrar a quadrilha do sogro. Meses depois ganhou liberdade. Hoje de manhã, Matheus estava na casa onde os policiais foram cumprir o mandado de prisão contra o outro genro e Fischer. Em conversa com repórteres, ele negou as denúncias.

A quadrilha supostamente comandada por Carlos Fischer é acusada de série de furtos em propriedades rurais de Nioaque, Bonito, Jardim e Bodoquena, além de outros municípios da região de Dourados.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário