ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SÁBADO  23    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Tatuagem é pista para polícia identificar corpo concretado em tambor

Desenho no braço esquerdo tem “Mauro Max” ou “Maira Max”; cadáver foi encontrado terça-feira em Ponta Porã

Por Helio de Freitas, de Dourados | 14/01/2021 11:09
Roupas usadas por homem que foi morto e teve o corpo concretado dentro de tambor (Foto: Ponta Porã News)
Roupas usadas por homem que foi morto e teve o corpo concretado dentro de tambor (Foto: Ponta Porã News)

Tatuagem e roupas são as únicas pistas da polícia para conseguir identificar o corpo encontrado concretado dentro de um tambor de plástico azul na tarde de terça-feira (12) em Ponta Porã, a 323 km de Campo Grande, na fronteira com o Paraguai.

O tambor foi encontrado por pescadores em uma parte rasa do Córrego São João, na região do bairro Jamil Saldanha. O cadáver estava em decomposição em meio ao concreto e foi levado para a capela mortuária da cidade.

A perícia da Polícia Civil constatou que o corpo usava camiseta polo e calça jeans, aparentemente roupas de marca. No braço esquerdo havia uma tatuagem, onde é possível ler “Mauro Max” ou “Maira Max”. Esses detalhes podem levar familiares ou conhecidos a procurarem a polícia para fazer a identificação.

Tatuagem no braço esquerdo é pista para identificação (Foto: Ponta Porã News)
Tatuagem no braço esquerdo é pista para identificação (Foto: Ponta Porã News)

De acordo com policiais da cidade, devido ao estado do corpo, a possibilidade é que a vítima seja uma das pessoas que desapareceram em 2020 na Linha Internacional. Além das execuções quase diárias, os desaparecimentos são comuns na fronteira marcada pela guerra do tráfico.

Em 13 dias de janeiro de 2021, cinco pessoas já foram executadas só em Pedro Juan Caballero, atualmente a cidade mais violenta do Paraguai.

O caso mais recente foi a morte do policial Fredy César Díaz. Ele foi executado ontem de manhã quando seguia de casa para o departamento da Polícia Nacional onde trabalhava.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário