ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 24º

Interior

Vereador preso em operação contra esquema de corrupção é afastado da Câmara

Valter Brito da Silva é investigado no âmbito da Operação Laços Ocultos, do Ministério Público de MS

Por Helio de Freitas, de Dourados | 28/11/2023 11:07
O vereador Valter Brito da Silva, que está preso há 12 dias (Foto: A Gazeta News)
O vereador Valter Brito da Silva, que está preso há 12 dias (Foto: A Gazeta News)

A Câmara Municipal de Amambai, cidade a 351 km de Campo Grande, aprovou na sessão desta segunda-feira (27), por unanimidade, o afastamento preliminar do vereador Valter Brito da Silva (PSDB), preso no dia 16 deste mês no âmbito da Operação Laços Ocultos, do Ministério Público de Mato Grosso do Sul.

Ex-presidente do Legislativo, ex-vice-prefeito e atual líder do prefeito Edinaldo Bandeira (PSDB), Valter Brito é apontado como chefe da organização criminosa acusada de desviar pelo menos R$ 80 milhões nos últimos seis anos através de licitações fraudulentas e obras superfaturadas.

Ao Campo Grande News, a presidente da Câmara, Lígia Borges (PSDB), autora do requerimento votado em plenário, disse que o afastamento é preliminar, ou seja, não há prazo definido. Entretanto, a Câmara ainda não sabe qual suplente vai convocar para a vaga por causa da mudança de partido de Valter Brito.

Eleito pelo DEM em 2020, o vereador deixou a legenda após a fusão com o PSL – que deu origem ao União Brasil – e se filiou ao PSDB. Lígia Borges disse que a Câmara pediu parecer da Justiça Eleitoral, para saber qual suplente vai ocupar a vaga durante o afastamento.

A operação – Segundo o MP, investigação iniciada pela 1ª Promotoria de Justiça de Amambai relevou existência de organização criminosa que praticava corrupção ativa, corrupção passiva, peculato, fraude em licitações e contratos públicos, além de lavagem de dinheiro. O grupo criminoso envolvendo políticos, servidores municipais e empresários, teria desviado pelo menos R$ 78 milhões nos últimos seis anos.

A organização é acusada de fraudar licitações de obras e serviços de engenharia em Amambai e outros municípios, principalmente por meio de empresas ligadas a familiares, com sócios até então ocultos. A investigação revelou superfaturamento e inexecução parcial de obras e pagamento de propina a agentes políticos e servidores públicos municipais que deveriam fiscalizar os contratos.

Além de Valter Brito, foram presos os engenheiros Jonathan Fraga de Lima, da JFL Construtora; Joice Mara Estigarribia da Silva, da J & A Construtora Ltda.; e Leticia de Carvalho Teoli Vitorasso, da C&C Construtora.

Também teve a prisão decretada a servidora pública Jucélia Barros Rodrigues, fiscal de contratos da prefeitura e espécie de “braço direito” de Valter Brito. Entretanto, ela não foi encontrada. Outro investigado, que não teve o nome revelado, também segue foragido.

O vereador Geverson Vicentim (PDT) também está entre os investigados. Mandados de busca foram cumpridos em sua casa e no seu escritório. O celular dele foi apreendido.

Além dos seis mandados de prisão, o Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) cumpriram 44 mandados de busca e apreensão em Amambai, Campo Grande, Bela Vista, Naviraí e Itajaí (SC).

Receba as principais notícias do Estado pelo WhatsApp. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias