A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

28/01/2014 15:05

Justiça vê irregularidades e manda 42 devolverem lotes de terra ao Incra

Lidiane Kober

Por detectar o uso de laranjas e o desvio de cerca de R$ 200 milhões, a Justiça determinou a 42 pessoas, entre empresários, bancários e dirigentes sindicais, devolver ao Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária) dezenas de lotes de terras em vários municípios de Mato Grosso do Sul.

Uma das áreas, inclusive, chegou a ser concedida e registrada em nome de uma criança de 10 anos, filha de donos de duas empresas no Estado. Os acusados foram denunciados pelos crimes de estelionato e falsidade ideológica. Também se verificou a existência de beneficiários com vínculo empregatício, além de venda de lotes.

Além de restituir o Incra, os envolvidos serão excluídos do cadastro e impedidos de obter crédito de instalação rural e do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar). A denúncia partiu do MPF (Ministério Público Federal) e embasou a Operação Tellus, que teve início no fim de 2009. Por meio de escutas telefônicas, chegou até envolvidos em transações de diferentes cidades.

O caso - Tudo começou em 2008, quando o MPF suspeitou de irregularidades em quatro assentamentos, na área da antiga Fazenda Santo Antônio, em Itaquiraí, região sul do Estado. A propriedade, de 16.926 hectares, havia sido desapropriada pelo Incra por R$ 130 milhões, e desmembrada em 1.236 lotes.

Em Itaquiraí, o MPF constatou que, para fazer a distribuição dos lotes, não houve sorteio entre os inscritos, que seria o procedimento legal. Na verdade, havia ocorrido contemplação dirigida. Uma das vistorias comprovou que, dos 1.236 lotes, 497 eram ocupados por pessoas que não constavam na relação do Incra. O instituto apenas acatou as indicações dos movimentos sociais, homologando o resultado do “sorteio”.

Ainda na época, foi constatada a participação ativa de funcionários do Incra na venda e regularização de lotes ocupados ilegalmente, por meio da emissão de documentos falsos. Há indícios de que assentamentos eram criados apenas para que houvesse a possibilidade de fraudes.

Houve também desvio da verba que seria utilizada inicialmente pelos assentados. Somente em cinco anos (2005 a 2010), foram liberados R$ 198.129.576,87 em créditos para assentados em Mato Grosso do Sul. O dinheiro obtido ilicitamente era “lavado” na compra de imóveis, carros e outros bens.

Presos em operação Tellus tinham armas e R$ 79 mil
Com um saldo de 20 pessoas presas, a PF (Polícia Federal) finalizou a Operação Tellus, que teve como principal objetivo desmantelar esquema criminoso...
Incra não fala sobre prisões da Operação Tellus
A Superintendência do Incra em Mato Grosso do Sul resolveu manter o silêncio sobre a Operação Tellus, desencadeada hoje pela Polícia Federal, em conj...
Carro roubado no Rio de Janeiro é recuperado em estrada rumo ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...


GOSTARIA MUITO DE SABER, QUAL A DECISÃO FOI TOMADA COM RELAÇÃO AOS SÍTIOS TOMADOS PELO INCRA, NO CASO DO MEU FILHO QUE FOI SORTEADO PELO INCRA E DEPOIS DE TER INVESTIDO COM TANTAS DIFICULDADES E ESTAR SENDO TRABALHADO PELA FAMÍLIA O INCRA RETOMOU E JÁ PASSOU PARA OUTRA FAMÍLIA, QUE AGORA ESTÁ COLHENDO O QUE PLANTAMOS. E A JUÍZA AINDA NÃO CHAMOU NENHUM DOS ASSENTADOS DESPEJADOS...O QUE ESTÁ ACONTECENDO???? PRECISAMOS DE RESPOSTAS. MUITO OBRIGADA!!!
 
ivanilda gomes catrinck em 04/02/2014 09:18:39
Com a palavra, os MST da vida, funcionários corruptos do INCRA, sindicalistas e outros mais.... Que tal o MPF dar uma olhadinha nos outros assentamentos também ...
E a sociedade ingenuamente pensando que este é um movimento social apesar das exceções de alguns assentados. Essa é apenas uma das contas que vamos pagar por causa da incompetência, corrupção, oportunistas e malandros de plantão. Aos poucos a máscara desses movimentos "sociais" vai caindo mostrando toda a podridão que existe por traz, com a conivência, participação e até incentivo do governo. É dinheiro público que está indo para o ralo e deveria estar indo para escolas, hospitais, creches.
Parabéns ao MPF pelo bom trabalho.
 
Paulo Lemos em 28/01/2014 20:02:20
O que houve com os 9 servidores do INCRA que estão envolvidos? Será que o processo prescreveu e ficaram sem punição?
Os envolvidos na fraude devolverão o dinheiro ao erário?
Se 492 lotes eram ocupados irregularmente, porque só 42 serão devolvidos?
São perguntas que vêm imediatamente à cabeça quando lemos a reportagem e que gostaríamos de saber as respostas.
 
Silvia Carvalho em 28/01/2014 17:41:54
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions