A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

07/08/2012 11:47

Ministério autoriza estudos para pedágios em 3 rodovias de MS

Aline dos Santos

Na lista, estão as BRs 163, 267 e 262

A 163, conhecida como a Rodovia da Morte, está na lista para estudo. (Foto: Simão Nogueira)A 163, conhecida como a Rodovia da Morte, está na lista para estudo. (Foto: Simão Nogueira)

O Ministério dos Transportes autorizou a EBP (Estruturadora Brasileira de Projetos) a desenvolver estudos técnicos que poderão ser utilizados na licitação de concessão de trechos em rodovias federais de Mato Grosso do Sul. Na lista, estão as BRs 163, 267 e 262.

Na 163, o trecho vai da divisa com o Mato Grosso até a divisa com o Paraná. Na BR-262, vai do entroncamento com a BR-163 até a divisa com São Paulo. Na 267, o trecho vai do entroncamento com a BR-163 até a divisa entre Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Em todo Brasil, são 5.739,7 km de extensão nas rodovias federais BR-050, BR-060, BR-101, BR-153, BR-163, BR-262 e BR-267. Os trechos avaliados estão localizados na Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Tocantins, além de trecho no Distrito Federal.

Os estudos técnicos deverão abranger aspectos de engenharia, operação, meio ambiente, demanda, elaboração de minutas de documentos e modelagem econômico-financeira. A EBP terá prazo de 150 dias para elaboração dos estudos, que deverão ser pagos pelo futuro vencedor da licitação, caso a mesma efetivamente ocorra.

A autorização não obriga o Poder Público a realizar a licitação das concessões, que somente ocorrerá caso o governo entenda que a transferência dos trechos à iniciativa privada atenda ao interesse público, em especial quanto à modicidade tarifária e investimentos nas vias.

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


Se for pra melhorar pago sim ! o governo não tem competência técnica para administrar estradas, portos e aeroportos..governos tem que regular e fiscalizar e não tentar substituir a iniciativa privada...Apoio Concessão já !!
 
lucas sobral em 08/08/2012 10:28:33
Falam em pedágio mas não em duplicar, em outros estados
se paga pedágio mas a maioria das rodovias são duplicadas.
 
Victor Antunes em 08/08/2012 10:18:22
NUM PAÍS DE TANTOS PARADOXOS, O PEDÁGIO AINDA SE MOSTRA UMA DAS POUCAS MODALIDADES DE TARIFAÇÕES JUSTAS. OS BENEFÍCIOS SÃO CLARIVIDENTES E IMEDIATOS. PAGA-SE POR QUEM E PELO QUE SE USA, APENAS. DE QUE NOSSA CARGA TRIBUTÁRIA É ESCORCHANTE NÃO SOBRA DÚVIDA, ASSIM, ANTES, NOS INSURJAMOS COM VEEMÊNCIA CONTRA OS IMPOSTOS EMBUTIDOS E DISFARÇADOS NOS PREÇOS DE BENS E SERVIÇOS.
 
PAULO MORENO em 08/08/2012 10:16:55
Nós brasileiros já trabalhamos excessivamente só prá pagar tributações excessivas ao governo. Se esse pedágio for implantado vamos ter que trabalhar mais, nosso custo de vida vai aumentar, o cidadão vai ter tirar dinheiro de alimentação, educação, moradia prá custear esse pedágio. As passagens de ônibus e transportadoras irão aumentar o preço de tudo. Prestem atenção!
 
Ivo Lemes em 08/08/2012 09:24:16
Acho incrível, como nós aceitamos a imposição da terceirização, mesmo pagando alta tributação de imposto. Isso é mais um imposto disfarçado, visto que já pagamos para ter rodovias bem estruturadas em nosso Páis. Mas, não, estamos sempre nos conformando com as imposições que nos são infringidas e ficamos quietos. Já estamos terceirizando saúde, educação, segurança e agora e a vez das estradas.
 
Marcos Cunha em 08/08/2012 08:17:00
NO TRECHO ENTRE CAMPO GRANDE E SÃO GABRIEL DO OESTE TAMBEM DEVERIA TER, POIS É UM TRECHO MUITO PERIGOSO, TODA VEZ QUE VOU A RIO VERDE PRESENCIO ALGUM ACIDENTE GRAVE ALI.
 
INEZ LARA em 07/08/2012 12:16:13
Primeiro precisamos de investimento pois as rodovias atuais tem só dinheiro nosso ou seja publico ,quando a iniciativa privada colocar dinheiro dela , aí sim concordo com o pedagio.
 
Elio araujo em 07/08/2012 09:29:27
Se acreditarmos em PAPAI NOEL ,ai um dia sai do PAPEL............
 
wagner barreto leite em 07/08/2012 08:33:48
Legal... já temos os combustíveis mais caros do país e agora ainda vamos pagar pedágio nas rodovias.
 
Adriano Roberto dos Santos em 07/08/2012 08:15:33
Seria muito bom, porém devemos lembrar que a BR163 recem foi recuperada e veja só como esta, foi um investimento alto e a qualidade péssima.......se for real o pedagio será bom pois teremos manutenção decente nas rodovias, não essa palhaçada que existe! um exemplo claro e a SP300 estrada intacta!
 
Anderson Silva em 07/08/2012 08:03:15
Monah Lopes, você não sabe o que está falando. Já viu a alíquota de São Paulo? É quase o DOBRO das praticadas em MS. A isenção somente acontece com 20 anos de uso, enquanto em MS é com 15. Carro zero não tem um centavo de desconto na hora do 1º emplacamento, em MS a isenção é total. Estude mais antes de falar.
 
Gustavo Ribeiro em 07/08/2012 04:47:30
Se duplicarem a pista, aumentarem o limite de velocidade para 110 Km/h e retirando as passagens de nível sobre os trilhos da Noroeste do Brasil, QUE VENHAM OS PEDÁGIOS! Pago com gosto! Só quem anda nas boas estradas paulistas sabe como isso é bom!
 
Gustavo Ribeiro em 07/08/2012 04:42:44
Infelizmente seremos obrigados a arcar com mais essa despesa. Se duplicarem a rodovia ai sim fará sentido criarem o pedágio, caso contrário sou contra.
 
Alcibiades Biazussi em 07/08/2012 01:51:29
Mas aqui em MS fica meio complicado pedagio
pois ja arcamos com o IPVA mais caro do Brasil
mas uma taxa, vai acabar com os motoristas....
 
Monah |Lopes em 07/08/2012 01:14:01
Em vez de privatizar gerando mais custos ao contribuinte esse estudo deveria buscar soluções viárias, que são claras a todos, mas os governos preferem deixar como está pois gera custos obrigando o governo federal a enviar dinheiro para custear as estradas federais, no MS nem precisa privatizar basta interesse publico em fazer, em relação aos nossos vizinhos MT e GO, quem andou por lá sabe como é.
 
Fabio Souza em 07/08/2012 01:10:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions