A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

28/05/2012 18:17

Mortalidade materna diminuiu 33% em Mato Grosso do Sul ano passado

Nadyenka Castro

De janeiro a setembro de 2011 foram 16 óbitos e no mesmo período de 2010, oito

A mortalidade infantil reduziu 33% em Mato Grosso do Sul no ano passado. De acordo com dados do Ministério da Saúde, de janeiro a setembro de 2011, 16 mães morreram. No mesmo período de 2010, foram oito óbitos decorrentes de complicações na gravidez e no parto.

Mato Grosso do Sul acompanha a tendência de queda detectada no Brasil em 2011, primeiro ano de funcionamento do programa Rede Cegonha, do Ministério da Saúde. Para melhorar o atendimento à gestante e reduzir ainda mais o número de óbitos maternos, o Ministério da Saúde vai intensificar ações da Rede no estado

Lançada em março do ano passado, a Rede Cegonha já destinou R$ 2,5 bilhões para qualificar a assistência à mulher e ao bebê. Mato Grosso do Sul já teve o plano de ação analisado pelo Ministério da Saúde e será publicada portaria em breve. Está prevista, ainda, a publicação de recursos para mais 100% dos municípios referente ao componente pré-natal.

Atendimento- A Rede Cegonha busca assegurar a expansão e qualificação de maternidades; leitos; Centros de Parto Normal; Casas da Gestante, do Bebê e Puérpera; o direito ao acompanhante no parto; exames de pré-natal; planejamento familiar, acompanhamento das crianças até os dois anos de idade, entre outras ações. Todos os estados e o Distrito Federal já aderiram à Rede Cegonha.

Outra novidade é a distribuição - para todas as Unidades Básicas de Saúde que realizam o pré-natal - do sonar, equipamento para ouvir e monitorar o coração do bebê ainda na barriga da mãe e verificar as condições físicas dele.

A Rede Cegonha também auxilia as gestantes no deslocamento para as consultas de pré-natal. Até o momento, 1.291 gestantes estão cadastradas em 59 municípios de 11 estados para receberam o auxílio de até R$ 50,00.

O Ministério da Saúde também quer conhecer cada mulher que teve seu filho no SUS (Sistema Único de Saúde) e saber como foi o atendimento recebido durante toda gestação, parto e pós-parto. A Ouvidoria Geral do Ministério da Saúde está ligando para essas mães avaliarem os serviços prestados. Já existem mais de 75 mil mulheres cadastradas.

Brasil- No País, entre janeiro e setembro do ano passado, foram registrados 1.038 óbitos maternos, o que representa redução de 21% em comparação ao mesmo período de 2010, quando 1.317 mulheres morreram por complicações.

A redução é um marco histórico, que aprofunda vigorosamente a tendência registrada nos últimos anos - de 1990 a 2010, o indicador caiu à metade: de 141 para 68 óbitos para cada 100 mil nascidos vivos.

No período, houve diminuição em todas as causas diretas de mortalidade materna: hipertensão arterial (66,1%; hemorragia (69,2%); infecções pós-parto (60,3%); aborto (81,9%); e doenças do aparelho circulatório complicadas pela gravidez, parto ou pós-parto (42,7%).

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions