A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

15/09/2010 15:30

MP deve se manifestar contra a soltura de jornalista

Redação

O MPE (Ministério Público Estadual) manifestou que é contrário ao relaxamento da prisão do jornalista Agnaldo Gonçalves, que matou a tiros o menino Rogério Pedra, o Rogerinho, durante uma briga de trânsito no centro de Campo Grande, em novembro de 2008.

A informação sobre a manifestação do MPE foi repassada por Ricardo Trad, advogado da família de Rogerinho. Durante o contato na tarde de hoje com o juíz responsável pelo caso, "vou pedir em nome da família para que o Agnaldo permaneça preso", reforçou Ricardo ao Campo Grande News.

O jornalista já chegou ao Fórum da Capital para prestar depoimento em audiência com o juiz Aloísio Pereira dos Santos.

Bastante magro, vestindo uma calça jeans e camiseta listrada de vermelho, Agnaldo chegou à sala de audiência algemado e escoltado por cinco policiais militares. Na entrada, cruzou com parentes do menino e a PM precisou pedir para que a família de Rogerinho não obstruísse a passagem do acusado.

Segundo a família, a vinda de Agnaldo para Mato Grosso do Sul em agosto deste ano foi uma estratégia para fugir do julgamento. A saída do jornalista da Praia Grande, cidade no litoral paulista onde estava morando, para Campo Grande sem aviso, é vista como manobra, já que ele deveria ser ouvido lá, por carta precatória.

A defesa de Agnaldo Gonçalves solicitou relaxamento da prisão preventiva, por considerar a prisão do jornalistas "um equívoco". A alegação dada para a viagem de São Paulo a Mato Grosso do Sul seria para a venda de uma fazenda e visita a familiares.

O advogado de defesa de Agnaldo, Valdir Custódio, acredita que a prisão preventiva seja revogada após audiência de hoje. Faixas foram colocadas do lado de fora do Fórum, com dizeres pedindoa manutenção de Agnaldo na prisão, além de pedir justiça.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions