A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

14/01/2012 14:15

MS será piloto em projeto de R$ 11,9 bilhões para vigilância da fronteira

Edmir Conceição

Projeto piloto baseado em Dourados custará R$ 172,8 milhões. Montagem do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras deve levar 10 anos.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
O VANT Hermes 450 da Elbit Systems atualmente em testes na FAB. (Foto: FAB)O VANT Hermes 450 da Elbit Systems atualmente em testes na FAB. (Foto: FAB)

O Ministério da Defesa finaliza programa de R$ 11,9 bilhões para reforçar a vigilância nas fronteiras. O Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras), que prevê o emprego de armas e equipamentos desenvolvidos com novas tecnologias de defesa, começa a ser implantado nesse semestre, com projeto piloto nos 650 quilômetros que dividem Mato Grosso do Sul do Paraguai e da Bolívia.

Desde fevereiro do ano passado, quando foi lançado o plano do Ministério das Relações Exteriores, é o segundo programa de vigilância da fronteira preparado pelo governo. Em julho de 2011 a presidente Dilma Rousseff lançou o Sisfron, coordenado pelo Ministério da Justiça em parceria com o Ministério da Defesa em ações repressivas e preventivas numa primeira etapa, com desdobramento agora com cobertura de radares em toda a linha de fronteira por meio de sinais de satélites geoestacionário e ótico e aeronaves não tripuladas.

Neste semestre, devem ser conhecidos os detalhes técnicos do projeto piloto que será lançado na fronteira de Mato Grosso do Sul. Serão instalados 12 radares, cada um com alcance de 60 quilômetros, ligados à 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, em Dourados, e ao quartel-general do CMO (Comando Militar do Oeste), em Campo Grande.

O Orçamento Geral da União de 2012 aloca R$ 172,8 milhões para o sistema de radares do projeto piloto. Essa fase experimental será a primeira iniciativa de integração das diversas plataformas de vigilância, dos radares aos Vants (veículos aéreos não tripulados) com o centro de comando. Dependendo dos resultados, o modelo será adotado nos outros 16 mil quilômetros de fronteira.

Indústria bélica - A edição de IstoÉ/Dinheiro que circula nesse fim de semana traz a expectativa da indústria bélica diante do programa bilionário de reestruturação das Forças Armadas.

Segundo a revista, a decisão do governo brasileiro provocou uma onda de fusões e associações de empresas do setor bélico. A Embraer Defesa e Segurança, a maior do setor, comprou a fabricante paulista de radares Orbisat e 50% do controle da Atech, especializada em integração de sistemas e responsável pelo projeto básico do Sisfron, concluído em dezembro. A empresa de São José dos Campos também integrou joint venture com a gaúcha AEL Sistemas, subsidiária da israelense Elbit, para criar a Harpia, que desenvolve Vants nacionais.

Para permitir novas associações e participação da indústria bélica estrangeira no plano, o governo criou a Empresa Estratégica de Defesa. A francesa Thales anunciou em dezembro parceria com a construtora Andrade Gutierrez na área de defesa, segurança aeroespacial e transportes, para atuar no desenvolvimento das tecnologias que serão empregadas até 2022 no Sisfron. Cerca de 30 indústrias nacionais estão hoje capacitadas para fornecer equipamentos e tecnologias para o Sisfron. A Odebrecht também já criou sua divisão de defesa e segurança.



Odebrecht e Andrade Gutierrez são empresas genuinamente nacionais especializadas em construção civil e conceituadas exteriormente.
Entretanto não deixaram de entrar nesta fatia do setor bélico que não tem nada a ver com seus negócios.
Evidentemente é um conchavo politico pra meter a mão nesta cumbuca, com fins lucrativos.
Claro que a Embraer está mais capacitada que todas para este papel.
Como
 
Antonio Carlos Wolfgang em 14/01/2012 08:40:17
Agora só falta pagar um salário condigno aos policiais civis e militares, afinal, são eles que fazem o "varejo" do combate à criminalidade nos estados.
Como empresário e contribuinte, espero segurança eficiente em Mato Grosso do Sul.
 
Ramao Frogiantt em 14/01/2012 06:56:56
Demorou pra que o Governo tomasse esta iniciativa. Parabéns aos idealizadores deste projeto.
 
Alex Cardoso em 14/01/2012 06:51:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions