ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 19º

Cidades

Nos 12 anos de lei, TJ anuncia política para enfrentar violência contra mulher

Portaria que regulamenta a política foi publicada no Diário da Justiça nesta terça-feira (7)

Izabela Sanchez | 07/08/2018 17:05
Fórum do Tribunal de Justiça em Campo Grande (Paulo Francis)
Fórum do Tribunal de Justiça em Campo Grande (Paulo Francis)

O TJMS (Tribunal de Justiça Estadual) criou a Política judiciária de enfrentamento à violência doméstica ou familiar. A portaria que regulamenta a política foi publicada no Diário da Justiça desta terça-feira (7), dia em que a lei Maria da Penha, que pune agressores, completa 12 anos.

A portaria define diretrizes e ações de prevenção e combate à violência contra as mulheres, e tem como base a legislação nacional e estadual e as normas internacionais sobre direitos humanos.

Entre os objetivos, a Política quer estimular parcerias entre órgãos governamentais, e entidades não governamentais, nas áreas de segurança pública, assistência social, saúde, educação, trabalho e habitação, em níveis estadual e municipal, para efetivação de programas de prevenção e combate a todas as formas de violência contra mulher.

Além disso, a nova diretriz quer impulsionar a criação de órgãos prestadores de serviços de reeducação e responsabilização para agressores estabelecendo-se parcerias com estes órgãos. A Política também vai favorecer o aprimoramento da prestação jurídica em casos de violência doméstica e familiar por meio do Programa Nacional “Justiça pela Paz em Casa”.

Este ano o Ligue 180, que registra denúncias de violência contra a mulher, registrou quase 73 mil denúncias no Brasil, conforme a Agência Brasil. Segundo a Agência, o resultado é bem maior do que o registrado em 2006, primeiro ano de funcionamento da Central, com 12 mil denúncias

“A portaria aborda o programa nacional Justiça pela Paz em Casa, a nossa campanha Mulher Brasileira em 1º Lugar e institui o banco de boas práticas, foco das muitas ações que a Coordenadoria da Mulher desenvolve. A luta é árdua porque coibir a violência doméstica e familiar é um processo no qual não se observa resultados imediatos, mas o empoderamento da mulher e sua saída do ciclo de violência são respostas obtidas com sucesso até aqui”, comentou a juíza Jacqueline Machado, que responde pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar.

Nos siga no Google Notícias