A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

18/03/2010 07:26

Paralisação no HR tem adesão de 60%, afirma sindicato

Redação

Os servidores do Hospital Regional Rosa Pedrossian, em Campo Grande, cumpriram a promessa e amanheceram em greve hoje. Um grupo de cerca de 50 deles se concentra em frente à unidade, nesta manhã, onde faz uma manifestação, com apitos, nariz de palhaço e até um caixão simbolizando o suceateamento do estabelecimento.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Júlio Cesar das Neves, afirma que a paralisação tem adesão de 60% dos funcionários do hospital, que somam 1,8 mil. A meta, afirma, é atingir 70%, e manter trabalhando apenas os 30% exigidos por lei.

Maria Antonia Vargas, de 46 anos, procurou o Regional para a consulta da mãe, Carlinda Vargas, de 77 anos. "Já estava marcada há mais de mês", justifica.

As duas saíram de Jardim na manhã desta quinta-feira, apesar de saber da manifestação. Na portaria do HR, não conseguiu nenhuma informação, mas tem esperança de conseguir o atendimento, marcado para às 10h.

Já o morador do bairro Lageado, Vanderlei da Cunha Silva, 43 anos, chegou às 7h para marcar exame e retorno ao Cardiologista, mas encontrou guichês fechados. "Vou embora, porque já vi que hoje não vou conseguir nada aqui", reclamou.

A greve dos funcionários do HR é por reajuste salarial. Ao todo, eles reivindicam um aumento de 65%. Neves explica que desse percentual, 50% se referem a um reajuste concedido aos médicos e os outros 15% seriam para garantir ganho real.

O governador André Puccinelli (PMDB), após se reunir com representantes dos funcionários na terça-feira, já avisou que não negociará com grevistas. Puccinelli havia marcado uma nova reunião para quarta-feira que vem.

Como contraproposta, o governador ofereceu aos servidores do HR a incorporação aos salários de um abono de R$ 150,00 mais um reajuste de 4,5%.

Ao comentar a paralisação, os servidores que estão concentrados à frente do HR nesta manhã admitem o transtorno provocado aos pacientes, mas dizem, também, que a unidade já apresenta sucateamento.

O presidente do Sindicato nega cunho eleitoral, em ano de disputa pela sucessão estadual. Segundo ele, desde o início do atual governo, sempre houve colaboração da categoria, que fez paralisação uma vez.

Eles reclamam dos reajustes recebidos nos últimos anos. Dizem que foi zero em 2007, de 3% em 2008 e de 6% no ano passado.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions