A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017

19/06/2009 14:51

Pedro Chaves já cogita empréstimo para salvar Santa Casa

Redação

Ex-reitor da Uniderp (Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal), agora diretor da junta que administra a Santa Casa, o professor Pedro Chaves dos Santos Filho já cogita realizar um empréstimo junto ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) ou à Caixa Econômica Federal para salvar o hospital.

O financiamento seria para quitar a "dívida real" da instituição, que está em R$ 71 milhões, conforme o balanço divulgado nesta semana.

A realização do financiamento para quitar os débitos do hospital, o maior do Centro-Oeste com 835 leitos, é um sonho antigo, desde a gestão de Arthur D'Ávila Filho, em 2004, quando pretendia obter R$ 35 milhões. O projeto permaneceu nos quatro anos de intervenção sob o comando do médico Rubens Trombini Garcia, mas nenhuma instituição bancária autorizou o financiamento.

O professor explicou que fará nova auditoria na dívida, para fazer uma triagem e definir os planos de curto, médio e longo prazo. Ontem, ele conversou sobre o empréstimo com a presidente nacional da Caixa Econômica Federal, Maria Fernanda Ramos Coelho, que veio participar da abertura do 6º Feirão de Imóveis na Capital. Ela teria se mostrado receptível e pediu o encaminhamento de um cronograma de desembolso.

Além de resolver o problema da dívida, o outro desafio do novo presidente é desafogar a demanda do hospital. Ele afirmou que pretende discutir com o Governo estadual a implantação de cinco a seis unidades pólos de saúde para atender o interior do Estado. Estes locais realizariam cirurgias menos complexas. "Queremos um plano macro para Mato Grosso do Sul", afirmou Pedro Chaves, destacando que implantará o projeto graças a boa relação que mantém com o governador André Puccinelli (PMDB) e a secretária estadual de Saúde, Beatriz Dobashi.

Diagnóstico - Ele prometeu fazer um diagnóstico da real situação da Santa Casa em 15 dias. Neste levantamento, o novo presidente quer saber de onde vêm os pacientes e quais as principais causas da superlotação.

Até os contratos terceirizados, que consumiram quase R$ 30 milhões no ano passado, ele prometeu rever. "Alguns contratos precisam ser reavaliados", antecipou, mas sem citar números. O ex-reitor explicou que buscará a equanimidade na distribuição dos resultados. "O hospital deve ficar com a fatia maior", destacou.

Apoio

Lava Jato no Rio já denunciou 134 pessoas e pediu devolução de R$ 2,3 bilhões
Em 17 meses de operação, a força-tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro ajuizou 25 ações penais contra 134 pessoas...
TSE pede que governo mude início do horário de verão de 2018 devido às eleições
O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) quer que o governo federal mude a data do horário de verão do próximo ano. Em encontro com o presidente Michel Te...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions