A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

17/06/2008 15:48

PM anuncia sindicância para apurar confronto com índios

Redação

Em nota à imprensa, a Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública) de Mato Grosso do Sul informa que a PM (Polícia Militar) abriu sindicância sobre o confronto ocorrido nesta manhã em Miranda, durante despejo de indígenas da fazenda Boa Sorte. Ainda conforme a nota, vai ser aberto também um inquérito técnico para apurar o dano a uma das viaturas, que teria sido provocado pelos índios.

Na nota, a Sejusp justifica que os policiais usaram bombas de efeito moral e balas de borracha para regir ao ataque dos índios, quando do cumprimento da reintegração de posse. O texto confirma que foram presos quatro indígenas, e não cinco, como informado anteriormente.

Conforme a secretaria, foram apreendidos com os índios 9 facões, 2 machetes, 1 martelo e 3 arcos e flecha.

Ainda segundo o que a Sejusp divulgou, três policiais foram atingidos por pedradas. Houve também feridos entre os índios, em um número não estimado.

Confira a íntegra da nota.

Na data de 13 junho de 2008, a Dra. Wânia de Paula Arantes, Juíza de Direito da Comarca de Miranda, determinou a reintegração de posse da área denominada Sítio Boa Sorte, localizada a três quilômetros do perímetro urbano da cidade de Miranda-MS, local em que ocorrera uma invasão de indígenas em uma propriedade particular. No local (no momento da chegada da PM) havia uma concentração de aproximadamente 60 indígenas.

No dia de hoje (17/06) após as providências necessárias para o cumprimento da ordem judicial, o Comandante do 7º BPM realizou um contato com alguns indígenas que se apresentaram como lideranças. Foi esclarecido que se tratava do cumprimento do mandado de reintegração de posse apresentado pelo Oficial de Justiça e com o apoio da Polícia Militar.

Neste momento o grupo de indígenas (liderança) iniciaram atitudes de ameaça, manipulando arco e flecha, facões, lanças, pedaços de pau e pedras, deslocando contra a tropa da PM e o oficial de justiça que tentava uma negociação, visando a retirada dos invasores.

Devido aos fatos ocorridos no momento, a tropa avançou na tentativa de debelar o ataque indígena, tendo havido a necessidade da utilização do lançamento de granadas químicas e munição calibre 12 de elastômero (borracha com menor intensidade). Durante a investida foram presos os líderes da invasão que frontalmente desobedeceram, desacataram e ameaçaram o Grupo da PM.

Durante o confronto, a tropa da PM conseguiu retirar os invasores, cumprir o mandado judicial e prender a liderança do movimento.

Após, os indígenas recuaram até o assentamento indígena, posicionando

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions