A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 25 de Setembro de 2018

11/12/2017 15:31

PMs suspeitos de cobrança de propina estão com prisão preventiva decretada

Juiz da Auditoria Militar determinou que cinco policiais do 10º Batalhão fiquem presos e determinou sigilo no processo

Marta Ferreira
Movimentação ao redor de caminhão-baú carregado de cigarro contrabandeado. (Foto: Nyelder Rodrigues)Movimentação ao redor de caminhão-baú carregado de cigarro contrabandeado. (Foto: Nyelder Rodrigues)

Os cinco policiais militares presos na semana passada, em Campo Grande, por envolvimento com a “Máfia do Cigarro” estão com prisão preventiva decretada pelo juiz da Auditoria Militar em Campo Grande, Alexandre Antunes. O processo envolvendo as prisões corre em segredo de justiça.

Desde o dia 1º de dezembro, já são 7 policiais militares presos por suspeita de envolvimento em um esquema envolvendo a cobrança de propina de quadrilhas especializadas no contrabando de cigarro. Tudo começou quando o sargento Alex Duarte de Aguir, de 38 anos, e o cabo Rafael Marques da Costa, de 28 anos, foram presos durante uma negociação com um homem identificado como Fabio Garcete, que tem envolvimento com o contrabando de cigarro e, neste caso, atuou como colaborador, depois de ser acionado por um motorista da quadrilha dona de uma carga contrabandeada.

Segundo o auto de prisão, um grupo de policiais do qual Aguir e Rafael fazem parte chegou a manter em cárcere privado o motorista do caminhão-baú que carregava mais de 500 caixas de cigarro. A exigência era de propina de R$ 150 mil, segundo áudios de mensagens de celular a que o Campo Grande News teve acesso.

O veículo com a carga, avaliada em mais de R$ 1 milhão, ficou retido por horas, primeiro em uma estrada vicinal de Campo Grande, e depois na rua Verdes Mares, no bairro Tarumá. A equipe do Campo Grande News confirmou que o veículo estava no local, na tarde do dia 1º.

Horas depois, por volta das 20h, ocorreu a prisão em flagrante dos policiais, em um posto de combustível próximo do local. Eles foram enquadrados no crime de corrupção passiva.

A Corregedoria da PM (Polícia Miitar), que conduz as investigações com apoio do Gaeco requisitaria as imagens da negociação. A reportagem apurou que chegaram a ser pagos R$ 30 mil, em notas marcadas.

Foi levantado, ainda, que havia mais policiais envolvidos, uma vez que a abordagem inicial ocorreu em uma estrada vicinal e que chegaram a ser usadas viaturas da corporação para impedir que o motorista do caminhão prosseguisse viagem. O motorista foi preso por contrabando e levado para a Polícia Federal, quem compete investigar esse tipo de crime

Outras prisões – Na quinta-feira passada, mais 5 policiais foram presos, como continuidade das investigações. No caso deles, a prisão foi preventiva, ou seja, sem prazo definido. Todos os policiais sob suspeita de cobrar propina da Máfia do Cigarro são do 10º Batalhão, cuja sede é na avenida Bandeirantes, responsável pelo policiamento na região sul da cidade, que leva à saída de Sidrolândia, utilizada pelos “cigarreiros” para passar com cargas

Como o caso foi colocado em segredo de justiça, os nomes dos outros cinco policiais envolvidos são desconhecidos. Ainda conforme apurado pelo Campo Grande News, o sigilo decorre da necessidade de novas diligências no caso, o que inclui a possibilidade de mais prisões ainda.

As providências foram solicitadas pela Corregedoria da PM e pelo Gaeco, diante da suspeita de que se trate de um esquema muito maior. Os sete policiais presos estão no Presídio Militar, em Campo Grande.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions