A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

10/12/2013 20:06

Polícia ouve presidente da Fetems e testemunhas da ameaça de morte

Zana Zaidan

A delegada responsável pelas investigações das ameaças de morte feitas por telefone contra o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato grosso do Sul), Roberto Botarelli, colheu hoje (10) os primeiros depoimentos das testemunhas do caso. Com o início do trabalho, a delegada Ana Cláudia Medina, da 1ª Delegacia de Polícia de Campo Grande, afirma ter uma linha de investigação.

Foram ouvidos o próprio sindicalista, um funcionário da entidade que atendeu ao telefonema e uma terceira testemunha, que presenciou a ligação.

“O funcionário relatou que o interlocutor estava exaltado, e era bastante grosseiro”, comenta a delegada. Anterior às investigações da Polícia Civil, um técnico em telecomunicações identificou o número de telefone onde partiu a chamada. Falta, agora, chegar à localização do suspeito. “Ouvir os envolvidos e o próprio presidente da Fetems foi o primeiro passo, mas já adotamos uma linha de investigação”, acrescenta.

Em depoimento, Botarelli afirmou estar se sentindo ameaçado, mas negou que tivesse deixado o Estado por causa do episódio do telefonema. “Ele disse que era um compromisso agendado antes de receber a ameaça. Participou de um reunião, e retornou ontem, data que já estava prevista”, explica Ana Cláudia.

A segurança de Botarelli e da família – esposa, três filhas e netos – é feita pela Força Nacional depois que o presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, encaminhou ofício ao Ministério da Justiça e à Secretaria Geral da Presidência da República solicitando o apoio.

Ameaças - Botarelli teria sido ameaçado na quarta-feira (4) por liderar o movimento que tentou barrar, na semana passada, o “Leilão da Resistência”, evento promovido por produtores rurais para arrecadar fundos que financiariam ações de combate a invasão indígena em terras do Estado.

Segundo informações da assessoria de imprensa da Polícia Civil, o boletim de ocorrências 17239, registrado por Botareli às 18h43 do dia 4 de dezembro, diz que uma pessoa identificada como “Maurício Pistoleiro” ligou para a Fetems fazendo ameaças ao presidente.

“É o Maurício quem fala. Eu sou pistoleiro. Avisa o professor Roberto para ele se cuidar que ele vai morrer”, teria dito o ameaçador. O registro policial ainda informa que um técnico de telecomunicações identificou o número de onde partiu a chamada e que uma professora retornou a ligação quando Maurício teria novamente ameaçado: “avisa esse babaca que ele vai morrer”.

No boletim de ocorrência, o presidente ainda diz que uma das lutas da Fetems é a questão indígena no Estado. Ele também lembrou que entrou com pedido no MPF/MS para suspender o Leilão da Resistência que visava a contratação de grupos "paramilitares" para atuar contra os indígenas

Carro roubado no Rio de Janeiro é recuperado em estrada rumo ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions