ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 28º

Cidades

Projeção de reajuste de planos de saúde pode passar de 163%

Helton Verão | 21/11/2013 20:31

Estudo do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), realizado em dezembro do ano passado, mostra que o reajuste dos planos individuais e familiares entre 2002 e 2012 apresentou alta de 38,1%. Se a diferença continuar na mesma proporção, nos próximos 30 anos, o consumidor elevaria substancialmente o percentual da renda comprometida com o pagamento das mensalidades.

Aos 60 anos, quando sofresse o reajuste por faixa etária, ficaria impossibilitado de arcar com os custos. Projetando a diferença dos índices para as próximas três décadas, as mensalidades seriam corrigidas em 163,49% acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Mesmo os planos coletivos não se livram da matemática desfavorável aos mais velhos. Ao se aposentar, o usuário pode continuar ligado ao plano coletivo da empresa, mas terá que arcar com os custos integrais do produto, com uma diferença crucial. Os reajustes passam a ser por faixa etária e não mais diluído na carteira da empresa, o que reduz o custo enquanto o usuário está no mercado de trabalho. Para se ter ideia da pressão dos custos, se aos 60 anos, o plano de um trabalhador é de R$ 600, na empresa ele pode pagar valor bem menor, 50% menos, devido à diluição dos custos por toda a carteira.

No entanto, ao se aposentar esse valor pode ser reajustado para R$ 600, seguindo a referência individual das faixas etárias. “O ideal é que o trabalhador leia o contrato e conheça as regras, para saber qual será o seu reajuste quando se aposentar”, alerta a pesquisadora Beatriz da Mata.

Nos siga no Google Notícias