A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

26/01/2011 17:01

Quadrilha envolvida em lavagem de dinheiro consegue liberdade na Justiça

Jorge Almoas

Decisão para líder do esquema criminoso se estende a demais envolvidos

Quadrilha foi presa no dia 16 de dezembro.Quadrilha foi presa no dia 16 de dezembro.

O TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) concedeu liberdade para Oscar Daniel Cabreira Pinazo, um dos envolvidos em esquema de lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas, que foi desbarato na “Operação Lavanderia” em dezembro do ano passado.

O habeas corpus foi concedido pela 2ª Turma Criminal na última segunda-feira. No entendimento do relator do processo, desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte, houve constrangimento ilegal na delegação da prisão preventiva dos envolvidos no esquema de lavagem de dinheiro.

Na Operação Lavanderia foram presos 15 envolvidos no esquema que lavava dinheiro proveniente do tráfico de drogas. A quadrilha tinha ramificação em Campo Grande, Dourados e Ponta Porã.

Durante a operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), foram apreendidos quase R$ 260 mil, duas caminhonetes Ford Ranger, um Vectra, um Siena e uma motocicleta, além de várias lâminas de cheque.

A quadrilha criava empresas de fachada e abriam contas em bancos para esconder ou dissimular a origem de valores oriundos de crimes. Com isso, eles conseguiam lucrar parte do valor depositado nas contas.

A investigação do Gaeco teve início com gravações telefônicas interceptadas no Paraná e a relatórios sobre intensas movimentações bancárias entre as contas dos acusados.

O pedido de prisão preventiva dos membros da quadrilha foi baseado na possível continuidade da prática criminosa e na dificuldade no levantamento de outras provas.

Uma possível fuga para o Paraguai de Oscar Daniel Pinazo, país onde o líder da quadrilha supostamente mantinha uma casa de câmbio, também foram levados em conta no pedido de prisão preventiva.

O desembargador Claudionor Abss Duarte, relator do processo de habeas corpus, ressaltou que a prisão preventiva deve se pautar pelo perigo que o réu causa ao processo e ao trâmite da ação.

Como não há, de acordo com o relator, nenhum elemento concreto de convencimento que indicasse a necessidade da prisão preventiva, a decisão de 1° instância foi revogada. O fato de Oscar Pinazo residir em região de fronteira não justifica a prisão preventiva.

A decisão da 2ª Turma Criminal se estende aos demais envolvidos. Foram indiciados pela Operação Lavanderia: Flavio Ricardo Cabreira Pinazo, Thiago Serviam Duarte, Luiz Carlos Serviam Duarte, Alzira Felipa Liuzi, Geferson de Jesus Novaes, Joelson de Moraes Costa, Marcos Recaldes Aveiro, Oswaldo Batista de Chaves Junior, Josiel Flávio Fernandes, Mário Brandão Garcia, Maristela Benites Peres, Carlos Jullyano Araújo, Edison Guedes da Costa, Amanda Ramires Guedes, Amarildo Calixto da Silva e Nelson Marçal Ferreira.

Autorização para psicólogos aplicarem terapia de reorientação sexual é mantida
O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, decidiu hoje (15) tornar definitiva a decisão liminar (provisória) que havia pr...
Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...
Acordo entre poupadores e bancos vai beneficiar 30% dos que entraram na Justiça
Das 10 milhões de pessoas que entraram na Justiça por perdas no rendimento de cadernetas de poupança, apenas cerca de 3 milhões serão beneficiadas, s...


Pra proibirem shows no PArque de Exposição eles são bons...agora pra mater preso quem tem dinheiro eles nunca conseguem....esse TJ-MS viu...
 
Elton A.M.S. em 27/01/2011 08:46:58
É por isto que os nossos políticos roubam aqui no Brasil, eles sabem que não dá em nada mesmo. Olha o exemplo em questão acima. Muda Brasil !!!
 
Reinaldo Junior em 27/01/2011 07:10:25
que vergonha dr. claudionor miguel
 
helio souza em 26/01/2011 09:38:32
Muito bom,o TJMS não é culpado por ações de seus "pares",mas se não me falhe a memória,que anda meio curta,este Senhor Desembargador ,não é o mesmo que ta na "mira"do CNJ ???Bem,mas em todo o caso,há decisões e decisões,portanto não podemos julgar nada,alias esta parte ficou para "poucos",que geralmente estão realmente "cegos"como o simbolo mairo de nossa inJUSTIÇA.Mas se esta na Lei,cumpra-se,pois ja diria alguém em latin :"DURA LEX,SED LEX",pena nem sempre este mesmo grafismo,ampara ás baixas camadas da população,lamentavel.
 
Ricardo Lemos Terra em 26/01/2011 08:48:04
Agora a PF tem que investigar as contas desse Juiz que concedeu o Habeas Corpus. Devem estar recheadas!!!
 
Hermelino de Leão em 26/01/2011 06:33:25
este e o brasil que vivemos . em quanto isto aconteçe .tem muitos inosentes preso
 
joao arce em 26/01/2011 05:56:52
Tem gente que ainda acredita que o TJ-MS é órgão "sério"!
 
getulio s santos em 26/01/2011 05:39:47
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK isso que é "JUSTIÇA" enquanto nos E.U.A duas irmãs são condenadas a prisão perpétua por TENTATIVA DE ASSALTO À MÃO ARMADA DE FACA, aqui os caras lavam dinheiro, andão de carrão comprado com o dinheiro sujo. É por isso que falam TRATAR OS IGUAIS IGUALMENTE E OS DESIGUAIS DESIGUALMENTE e foi o que o pseudo magistrado fez. Brasil mostra sua cara.
 
Douglas Ruiz em 26/01/2011 05:35:10
enquanto nós pobres levamos canseira da justiça para recebermos causas ganhas, eles colocam essas amebas rapidinho nas ruas. Esse Brasil acabou mesmo.
 
claudio zoratti em 26/01/2011 05:15:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions