A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

22/07/2013 16:49

Radares não inibem abusos e mortes crescem 26,7% nas rodovias de MS

Viviane Oliveira e Mariana Lopes
Gilberto acha que deveria ter radar móvel para aumentar o volume de multa, pois só assim o condutor diminuiria a velocidade nas rodovias. (Foto: Marcos Ermínio)Gilberto acha que deveria ter radar móvel para aumentar o volume de multa, pois só assim o condutor diminuiria a velocidade nas rodovias. (Foto: Marcos Ermínio)

Após a instalação de novos radares, houve aumento de 26,7% no número de mortes em acidentes de trânsito nas rodovias federais que cruzam o Estado, Mato Grosso do Sul. O número de acidentes também cresceu 6,2%, comparando-se o primeiro semestre deste ano com o mesmo período do ano passado, de acordo com o levantamento da PRF (Polícia Rodoviária Federal).

De acordo com o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), em todo Estado são 52 equipamentos de redução de velocidade. Em abril deste ano, foram instalados seis radares, dois na BR-262 próximo a entrada de Terenos e quatro entre Miranda e a ponte do rio Paraguai. Nos dois pontos, o limite de velocidade é de 80 km/h.

No entanto, apesar dos redutores de velocidade nos perímetros urbanos e ao longo dos 3,5 mil quilômetros das BRs, o número de mortes cresceu 26,7%, de 101, de janeiro a junho do ano passado, para 128 no mesmo período deste ano. 

Segundo a PRF, a questão dos radares, salvo algumas exceções, são equipamentos instalados em perímetros urbanos com intuito principal da redução da velocidade para evitar atropelamento, no trecho onde tem um número maior de pedestre circulando ou atravessando a rodovia.

“O que provoca acidentes é a imprudência”, diz Wagner. (Foto: Marcos Ermínio)“O que provoca acidentes é a imprudência”, diz Wagner. (Foto: Marcos Ermínio)

Na opinião dos motoristas, que estão nas estradas todos os dias, a instalação de radares ajuda, mas o que diminui os acidentes é a conscientização de cada condutor. “O que provoca acidentes é a imprudência, cada um tem que ter consciência do que está fazendo”, diz Wagner Benites Pereira, 38 anos, que há 13 trabalha como caminhoneiro.

Segundo ele, o trecho da BR-262 precisa ter mais radares porque os motoristas abusam da velocidade, principalmente, os veículos de passeio. “Os motoristas de caminhão, pelo menos, a maioria, não abusa da velocidade por causa do rastreador”, afirma.

Já para Marcelo Rodrigues de Lima, 32 anos, os aparelhos deveriam ser melhor posicionados e ao longo da rodovia ser instalados radares móveis. “Tem motorista que reduz só onde sabe que tem radar, depois afunda o pé no acelerador e segue sem nenhuma prudência”, reclama.

Caminhoneiro há 21 anos, Gilberto dos Santos, de 45 anos, compartilha da mesma opinião de Marcelo. “Quem conhece a estrada sabe onde tem o radar. Para evitar acidentes deveria ter radar móvel para aumentar o volume de multa, pois só assim o condutor diminuiria a velocidade nas rodovias”, finaliza.

Termina na 4ª feira prazo para adotar cartinha e ajudar Papai Noel dos Correios
Termina na próxima quarta-feira (dia 13) o prazo para quem quiser adotar uma cartinha do projeto Papai Noel dos Correios. Os interessados devem compa...
Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...


É mais fácil culpar o motorista. A sinalização precária, a baixa qualidade do pavimento, o traçado inapropriado para pista simples, etc, são esquecidos.
E ainda querem privatizar as vias. Isso é Brasil.
Temos que viajar atrás de caminhões a 60Km/h por que as condições de segurança da via pavimentada são equivalentes as estradas de boi.
LAMENTÁVEL.
 
João Santos em 23/07/2013 09:34:42
Creio que realmente aconteça isto. Sabendo da existência do radar os motoristas reduzem a velocidade. Após a passagem pelo mesmo, volta a acelerar. O radar móvel seria parte da solução. Outra solução seria a conscientização por parte dos motoristas, qualidade das pistas (sinalização vertical, horizontal, acostamento, 2ª faixa), manutenção dos veículos e por aí vai....
 
Orlando Santos em 23/07/2013 07:53:41
Alguém pode informar se o radar instalado na BR 267 próximo a curva da morte (posto Gauchão), ja esta em funcionamento.?????
 
Jair Gomes em 23/07/2013 07:18:58
O que diminuiria os acidentes e é um fato comprovado no mundo seria a duplicação das principais rodovias que cortam o país. Do jeito que esta toda tentativa de ultrapassagem é um questão de sorte, pois sempre pode ocorrer um acidente frontal com o veículo da pista contrária e isso sabemos que é 95% fatal.Com o duplicamento diminuiria em 70% os acidentes e não teria mais colisões frontais diminuindo as mortes totais em 80%. Isso é fato e calculado, falta é vontade de fazer o correto nos políticos!
 
Alexandre de Souza em 22/07/2013 20:05:51
A principal medida, na verdade, para se evitar acidentes é a construção de estradas decentes e seguras. Limitar a velocidade em níveis tão baixos como os atuais é a mesma coisa que enxugar gelo: nada resolve porque ninguém obedece. Quando as rodovias tiverem condições de engenharia que permitam o desenvolvimento de velocidades compatíveis com os veículos atuais, com segurança, os números de acidentes e mortes cairão de forma drástica.
 
João Dias em 22/07/2013 19:08:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions