A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Janeiro de 2019

02/01/2019 09:23

Se “zum zum zum” da Mega for real salvará 13º no interior de MS

Em uma das cidades onde houve aposta vencedora, parte dos servidores de prefeitura estão com salários atrasados

Danielle Valentim
A busca também é por qual lotérica recebeu a aposta.  (Foto: Henrique Kawaminami)A busca também é por qual lotérica recebeu a aposta. (Foto: Henrique Kawaminami)

A quarta-feira, 2 de janeiro, começou agitada e com ela a pergunta que não quer calar: quem fez a aposta ganhadora? Em Mato Grosso do Sul, três jogos estão entre os 52 que vão dividir o prêmio da Mega da Virada. Um bolão organizado por servidores da prefeitura de Coxim, a 260 km de Campo Grande, estaria entre os vencedores.

Na cidade também chamada de “Capital Nacional do Peixe", "Terra do Pé-de-Cedro" ou "Portal do Pantanal", dois comentários rolam entre os moradores, o primeiro de que a aposta vencedora partiu de um bolão organizado por servidores da prefeitura e o segundo de que a vencedora seja uma  mulher.

Caso a especulação do bolão se confirme, o dinheiro chegará em boa hora aos participantes, já que que alguns servidores estão com salários atrasados e, conforme apurado pelo Campo Grande News, sem receber o 13º. O bolão teria 40 pessoas, servidores e não servidores.

A falta de pagamento dos servidores públicos municipais de Coxim se arrasta desde o mês de outubro e, para solucionar o problema, os vencimentos passaram a ser feito escalonados. Conforme o SINSMC (Sindicato dos Funcionários e Servidores Municipais de Coxim), à época, os funcionários iniciaram greve com passeata e movimentação na Câmara Municipal de vereadores.

A reportagem tentou contato com a prefeitura, mas não teve as ligações atendidas.

Falta de pagamento dos servidores públicos municipais de Coxim se arrasta desde o mês de outubro. (Foto: Divulgação)Falta de pagamento dos servidores públicos municipais de Coxim se arrasta desde o mês de outubro. (Foto: Divulgação)

Costa RicaA curiosidade é grande também em Costa Rica, a 305 km da Capital, mas ninguém se arrisca a "cravar" o nome do vencedor. Nesta manhã, o clima é de sigilo na cidade também conhecida como a "Capital Estadual do Algodão" e com pouco mais de 19,2 mil habitantes.

O município conta com apenas uma lotérica localizada na Avenida José Ferreira da Costa, no Centro. A reportagem tentou contato por telefone, mas não foi atendida.

O burburinho domina, inclusive, grupos de WhatsApp desde a noite do dia 31. "Mandaram a foto de um bilhete premiado, mas é falso. Ninguém nem tem ideia de quem foi", comenta funcionária do Supermercado Guanabara, um dos mais tradicionais da cidade.

Ainda na cidade, há burburinho de que o próprio dono da Lotérica Costa Rica tenha feito a aposta.

Mas na Farmácia Oriente, os funcionários seguem na mesma linha de boato que dominou o município ontem. "Dizem que foi o dono do posto que ganhou", conta o atendente David Costa, lembrando que são 4 postos de combustíveis na cidade e ninguém aponta de forma certeira em qual deles estaria o sortudo. "Ninguém ainda sumiu da cidade", reforça.

O comentário mais forte em Costa Rica é de que o bolão garantiu a alegria de um frentista e de seus amigos. O Campo Grande News ligou para todos os postos e os responsáveis garantiram que a equipe continua completa. No Auto Posto Costa Rica, a atendente, que não quis se identificar, assegurou: "Todos mundo veio trabalhar hoje. Então, os ganhadores não são daqui". 

Corumbá - Em Corumbá, município a 419 km de Campo Grande, a busca nesta quarta-feira (2) é pela lotérica que recebeu o jogo sorteado. A cidade tem o triplo de habitantes das outras duas, por isso fica ainda mais complicado encontrar quem fez a aposta da Mega da Virada.

A proprietária da Padaria Preferida, no Centro de Corumbá, confirma que o assunto de quem foi comprar pão nesta manhã é de que um bolão entre cinco ou sete policiais militares foi o vencedor. “Eu só fiquei triste por não ter sido eu a ganhadora", avaliou a proprietária.

Na concorrente, a Panificadora Mana, a atendente Luciene de Souza Torres, de 35 anos, diz que até pensou que fosse um de seus colegas. “O comentário está grande. Está todo mundo curioso se é rico, se é e pobre. Eu cheguei aqui para trabalhar achei até que era um colega nosso porque ele havia jogado em um bolão, mas, infelizmente, não foi ele", disse.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions