A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

23/01/2012 16:03

Secretaria anula nomeação de agente que foi preso em 2009 pelo Gaeco

Marta Ferreira

A Secretaria de Fazenda vai anular a nomeação para a chefia da agência fazendária de Alcinópolis do agente tributário Aridalton José de Sousa, que é alvo de processo na Justiça por envolvimento em esquema de soneçação de impostos descoberto em 2009.

O secretário de Fazenda, Mário Sérgio Lorenzeto, afirmou ao Campo Grande News que a publicação foi um erro. Segundo ele, assim que o erro foi percebido a anulação foi determinada.

O secretário afirmou que os 8 funcionários do Fisco que chegaram a ser presos pela operação Cupim, em maio de 2009, “infelizmente” foram liberados pela Justiça e voltaram à secretaria, mas foram colocados em funções nas quais não há proximidade com dinheiro.

No dia 13 deste mês, havia sido publicada pela Secretaria a resolução do processo administrativo sofrido por Aridalton e pelos outros sete agentes tributários, considerando-os inocentes.

Na Justiça, o caso ainda corre. Junto com 8 pessoas, a maioria empresários, eles são acusados de um esquema de sonegação envolvendo madeira. À época, Aridalton comandanva o posto fiscal de Sonora, na divisa com Mato Grosso.

Os réus já apresentaram defesa prévia e agora o caso está fase de coleta de depoimentos. Isso inclui a expedição de cartas precatórias para o Mato Grosso, o que torna essa fase demorada.

Memória-Quando a investigação foi tornada pública pelo Gaeco, no dia 11 de maio de 2009, Aridalton chegou a ser preso, e depois foi libertado por decisão judicial.

Conforme o MPE (Ministério Público Estadual), o empresário Júlio Alberto Pereira Pinto liderava o esquema de sonegação. Ele residia em Sinop (MT) e coordenava suas empresas Silver Line Transporte e Logística Ltda e J.A. Pinto Transporte Ltda, ambas com sede no endereço residencial dele. As empresas, conforme a denúncia, levavam madeira de Mato Grosso para São Paulo, Santa

Catarina, Paraná e passavam por Mato Grosso do Sul.

Segundo as investigações, Julio pagava agentes tributários estaduais para cuidar de veículos fossem passar pela fiscalização. As notas fiscais eram duplicadas, ou seja, usadas por mais de um veículo.

Os valores contidos na nota também estavam abaixo do mercado e o peso não condizia com o real.

A Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda) estimou, quando o escândalo veio à tona, que tenha conseguido recuperar R$ 700 mil com a operação.

Servidor que foi preso em 2009 pelo Gaeco agora é chefe de Agenfa
Em 2009, Aridalton José de Souza foi apontado como um dos 15 envolvidos em esquema de facilitação da passagem por MS de cargas vindas do MTEm junho ...
Mega-Sena acumula e prêmio no sábado pode chegar a R$ 39 milhões
A Mega-Sena mais uma vez ficou sem vencer na noite desta quarta-feira (13) e, assim, acumulou. O prêmio pode subir para R$ 39 milhões no sorteio do p...
Chuva intensa de meteoros terá pico na madrugada de quinta-feira
A chuva de meteoros Geminídeos – uma das mais intensas e brilhantes do ano – vai ocorrer durante a noite de hoje (13) e a madrugada de amanhã (14) e ...
STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...


nomearam o elemento depois voltaram atrás, teria sim, que ser editado no Diário Oficial a exoneração deste cidadão, e depois preso!!!
 
Valter Vieira Alves em 23/01/2012 11:01:31
Um vagabundo deste teria que estar atras das grades, deve estar macumunado com algum político, tem que investigar isso, cade a penalidade desse elemento!!
 
Valter Vieira Alves em 23/01/2012 10:58:39
Caro leitor senhor "maximiliano nahas",NÃO são os funcionários públicos que encobrem um ao outro, isso é responsabilidade da Justiça e dos Superiores deste cidadão,que pela nossa Lei até que se prove contrario ele é "suspeito".E assim como na sua profissão(que não sei o que faz)tem sua banda podre ,em todos os locais também há,então reflita antes de escrever bobagens para não passar por "tolo".
 
cristina mendes carli em 23/01/2012 09:08:20
É foi erro depois que todo o povo ficou revoltado com tamanha cumplicidade dos funcionarios publicos onde um encobre o outro, depois que o povo gritou é melhor voltar atras, afinal daqui a pouco tem eleições né....
 
maximiliano nahas em 23/01/2012 06:33:43
ai sim gostei do campo grande news fes a denuncia o povo esquece mas a midia nao poi ten arquivo isso fora esses corupitos
 
vanderlei marques em 23/01/2012 05:26:44
Para promover a LISURA no serviço público eles deveriam ter sido exonerados e não mantidos no cargo com função diferente e mesmo salário.
 
Hilda Sales em 23/01/2012 04:15:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions