A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

09/12/2015 17:05

Sem ajuda da Prefeitura, Hospital Nosso Lar cortará 80 dos 120 leitos

Thiago de Souza
Diretores do Nosso Lar afirmam que não vão mais financiar pacientes do SUS. (Foto: Gerson Walber) Diretores do Nosso Lar afirmam que não vão mais financiar pacientes do SUS. (Foto: Gerson Walber)
Paulo Enier diz que hospital funcionou com déficit de R$ 200 mil. (Foto: Gerson Walber)Paulo Enier diz que hospital funcionou com déficit de R$ 200 mil. (Foto: Gerson Walber)

O Hospital Nosso Lar, o único voltado para o atendimento psiquiátrico na Capital, pode fechar mais 30 leitos no próximo ano se não receber repasse do município. Neste ano, a instituição já reduziu o número de vagas, de 120 para 70.

A Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul realizou uma reunião, na tarde desta quarta-feira (9), para discutir a situação financeira do Hospital Psiquiátrico Nosso Lar, em Campo Grande. A instituição funcionou por quatro meses com déficit de R$ 200 mil e anuncia que partir de agora não vai mais “financiar pacientes do SUS”.

Durante a reunião, onde estavam presentes a presidente da Comissão de Saúde, deputada Mara Caseiro (PMB), Onevan de Matos (PSDB) e Grazielle Machado (PR), o diretor-presidente do Hospital Nosso Lar, Enier Fonseca, mostrou as dificuldades da instituição e a incerteza que tem para 2016 quanto aos repasses do Governo do Estado e da Prefeitura Municipal.

Segundo o gestor, o Nosso Lar deveria receber um total de R$ 540 mil mensais, referentes aos repasses do governo, prefeitura e SUS, mas recebia apenas R$ 352 mil. Paulo Enier afirmou que por conta disso teve de reduzir de 120 para 70 o número de leitos em outubro deste ano.

Estiveram presentes no encontro a gerente de Saúde Mental da Secretaria Estadual de Saúde, Michele Scarpin, e a superintendente de Gestão Estratégica da Secretaria Estadual de Saúde Edelma Peixoto. Os representantes da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) foram convidados para o evento mas não compareceram.

Hoje o Nosso Lar atua com nove médicos e 70 enfermeiros distribuídos em quatro turnos. O contrato com a Prefeitura se encerrou em agosto deste ano, e segundo Enier Fonseca, a direção tenta reestabelecer convênio com o município, que teria de repassar R$ 65 mil por mês. 

A prefeitura Municipal, por meio da assessoria, informou que possui convênio com o Nosso Lar e repassa cerca de R$ 200 mil por mês, dependendo dos leitos ocupados.  

Se permanecer sem o vínculo com a prefeitura, o Nosso Lar terá de fechar 30 leitos para os pacientes de Campo Grande e operar apenas com 40 vagas, que seriam correspondentes ao Governo do Estado.

Outro fator destacado pelo dirigente são os atrasos no repasse do Governo Estadual. Segundo ele o dinheiro público serve para pagar a folha obrigatóriamente até o quinto dia útil, mas com o atraso, ele tem de buscar recursos próprios até que venha o dinheiro estadual.

A instituição também pede que, a partir de agora, sejam estabelecidos convênios com pelo menos um ano de vigência, o que deve trazer segurança para o hospital.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions