A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

30/11/2011 21:10

Senado aprova em 1º turno obrigatoriedade de diploma para jornalistas

Paulo Fernandes

Por 65 votos a sete, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 33/2009, que exige o diploma de curso de nível superior em jornalismo para exercício da profissão, foi aprovada em primeiro turno pelo Senado, nesta quarta-feira. A proposta ainda precisa ser aprovada em segundo turno.

Apesar de estabelecer que o exercício da profissão é privativo ao portador de diploma de curso superior de comunicação social, com habilitação em jornalismo (expedido por curso reconhecido pelo Ministério da Educação), a proposta prevê a possibilidade de atuação nos jornais da figura do colaborador, sem vínculo empregatício com as empresas, para os não graduados e também daqueles que conseguiram o registro profissional sem possuir diploma, antes da edição da lei.

De iniciativa do senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), a PEC tenta neutralizar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de junho de 2009, que revogou a exigência do diploma.

Relator da matéria no Senado, o senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) argumentou que o projeto resgata a dignidade profissional dos jornalistas, ao fixar na própria Constituição que a atividade será privativa de portadores de diploma de curso superior.

No entendimento dele, por se tratar de uma profissão que desempenha função social, o jornalismo precisa de formação teórica, cultural e técnica adequada, além de amplo conhecimento da realidade. “A exigência do diploma de jornalismo não criará nenhum embaraço para a liberdade de expressão ou do pensamento. Sinceramente, o que cria esse embaraço é o monopólio exercido na mídia brasileira”, disse, conforme a Agência Senado.

Alguns senadores, no entanto, criticaram a PEC. Entre eles o ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL). Para ele, a PEC impede a "total liberdade da expressão" da sociedade. O senador alagoano também criticou os cursos de jornalismo, que estariam formando "analfabetos funcionais" - profissionais que não conhecem a Língua Portuguesa nem cumprem as regras básicas do jornalismo, como apurar bem uma notícia.

“Eles não aprendem na universidade aquilo que, nós, outros jornalistas, que não tivemos de passar por esses bancos universitários para exerceremos livremente a nossa profissão, aprendemos no dia a dia e na labuta das redações”, afirmou.

O projeto ainda precisa ser aprovado em segundo turno antes de ser encaminhado para análise da Câmara.

Conselho de Psicologia aprova resolução com regra para atendimento a transexuais
Em meio à polêmica que cerca a iniciativa de psicólogos para derrubar, na Justiça, uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proíbe o...
Temer veta projeto sobre negociação coletiva no serviço público
O presidente Michel Temer vetou integralmente o Projeto de Lei nº 3.831/15, aprovado pelo Congresso Nacional, que estabelecia normas para a negociaçã...
UFMS divulga edital do vestibular para ingresso em cursos de graduação
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) divulgou, nesta segunda-feira (18), edital do processo seletivo do vestibular para ingresso em cu...


Não sou jornalista, mas é no minimo lastimável a fala do primeiro presidente cassado por corrupção, realmente ele não aprendeu isso na escola. Assim como professor fico mais aliviado.
 
Josué Ananias Neiva em 30/11/2011 10:01:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions