A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2018

30/04/2009 10:35

Um dia após crime, mãe de Dudu serviu almoço a assassino

Redação

Diante de todos os detalhes de um assassinato que revoltou Campo Grande, a mãe do menino Dudu diz que falta palavra para traduzir o sentimento, que vai de dor profunda a raiva pela traição de pessoas consideradas amigas.

O garoto, desaparecido em um sábado, dia 22 de dezembro, ainda é chamado pela mãe, Eliane Martins, de "bebê". O que mais revolta, segundo ela, é lembrar de cenas "teatrais" protagonizadas pela vizinha Maria de Fátima, conhecida como Marlene, no dia seguinte a morte.

Ela e José Aparecido Bispo dos Silva, ex-namorado de Eliane, forma presos pelo assassinato. Marlene por ter acompanhado os momentos que antecederam a morte, e Cido pelo planejamento e execução do crime.

Lembranças - A dor da família do menino começou há um ano e 4 meses. No domingo, dia 23, Eliane e o pai de Dudu, Roberto Gonçalves, se encontraram no supermercado do bairro Jardim das Hortênsias.

"Eu perguntei para ele do Dudu e o Roberto disse que pensava que o menino estava comigo. Fiquei preocupada e fui até a casa da Marlene, porque ele tinha brincado lá no sábado", lembra a mãe.

Ao conversar com a amiga, Eliane diz que ficou mais tranqüila. "Ela garantiu que tinha visto o Dudu de manhã e que ele devia estar com medo de aparecer porque tinha dormido fora. Fiquei pensando que era coisa de criança e fiquei mais calma".

O mais sórdido, na avaliação de Eliane, é que no domingo ela chegou a preparar o almoço para Marlene e comer ao lado da mulher que, segundo a Polícia, poderia ter evitado o assassinato. "Depois, lá pelas 13 horas, o Cido também apareceu com 4 latinhas de cerveja. Servi o prato para ele, mas fui para casa", conta.

Eliane diz que sempre desconfiou de Marlene, mas nunca se afastou por saber que ela poderia ajudar a elucidar o crime. "Até mesmo quando ela começou a ser chamada pela polícia, eu fiquei do lado, para não deixar ela fugir. Ficava falando que era para ela ficar tranqüila, que quem deve não teme".

A mãe de Dudu acha que o que levou a vizinha a compactuar com Cido foi amizade entre os dois e não medo. "Ela queria aproximar a gente, sempre que ele ia lá na casa dela, a Marlene deixava a gente sozinho".

Eliane conta que a vizinha chegava a "segurar o braço de Cido para ele se costurar", durante rituais macabros feitos pelo ex-namorado.

A filha de Marlene e a neta vivem hoje na casa que antes reunia a família, no Jardim das Hortênsias. A criança nasceu semanas antes do crime. "A comunidade está revoltada, não sei se alguém vai tentar fazer algo contra a menina por causa do que a Marlene fez, mas quero dizer que ela não tem nada com isso, a mãe é que é uma assassina", apela Eliane.

Depois de tanto tempo a procura de respostas e a fé de punição para o culpado, a mãe diz que o tormento acabou. "Agora só quero Justiça."

CNJ aprova novo auxílio-moradia de até R$ 4.377,73 para magistrados
Em sua última sessão do ano, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou hoje (18), por unanimidade, numa votação de poucos segundos, uma nova resol...
Dois municípios de MS terão veículos adaptados para atender deficientes físicos
Dois municípios de Mato Grosso do Sul receberão veículos adaptados para ampliar o acesso e promover a qualificação dos serviços de reabilitação de pa...
Mega-Sena acumula em R$ 50 milhões para o próximo sorteio, na quinta-feira
Ficou para a próxima quinta-feira (20) a oportunidade dos apostadores faturarem o prêmio da Mega-Sena que chegou aos R$ 50 milhões, depois de acumula...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions