ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

Vargas diz que não foi denunciado em processo sobre jogo

Redação | 01/03/2008 11:50

O delegado de Polícia Civil Marcelo Lopes Vargas disse hoje que não foi denunciado no processo que investiga o envolvimento dele com o jogo do azar em Mato Grosso do Sul. O procedimento aberto na Primeira Vara Criminal da Justiça Estadual em Campo Grande no dia 9 de fevereiro, reforça Vargas, não se trata de uma denúncia, nome jurídico para a fase em que o MPE (Ministério Público Estadual) pede para que um acusado seja processado. O que ocorreu, diz ele, foi a remessa pela Justiça Federal de um inquérito da Polícia Federal, concluído no ano passado, em que o policial é citado "apenas como suspeito" de envolvimento com a máfia da jogatina, avalia ele.

Vargas argumentou que a simples ida da peça de investigação para o juiz não significa que ele está sendo processado, uma vez que o magistrado pode decidir pelo arquivamento do caso ou ainda pedir novas apurações, se julgar necessário.

O delegado e o advogado dele, Ronaldo Franco, acreditam que o caso será arquivado, por falta de provas contra o policial, que chefiou durante anos a Deops (Delegacia de Ordem Pública e Social), responsável por reprimir o jogo de azar. O inquérito foi concluído em junho do ano passado, e deriva das ações da Polícia Federal que identificaram a atuação de cinco quadrilhas especializadas na exploração de caça-níqueis em Mato Grosso do Sul.

Em documento, apresentado pelo próprio delegado, a Polícia Federal enfatiza o não indiciamento dele, apesar de lembrar que Vargas foi citado por dois envolvidos no esquema da jogatina: Ari Silas Portugal e Elenilton Dutra de Andrade.

Em outro documento, desta vez do Ministério Público Federal, de junho de 2007, o MPF coloca a necessidade de novas diligências por falta de provas que estabeleçam envolvimento do delegado com os contraventores.

Perseguição - Vargas sempre negou as denúncias e diz que é alvo de uma perseguição sem fundamento. Segundo ele, chegou a autorizar a quebra de sigilos bancário e telefônico e garante que escutas levantadas durante a investigação não provam nada.

A gravação lembrada pelo delegado é de uma conversa de um dos acusados, Ari Silas Portugal, com um funcionário, no dia 8 de março do ano passado. O entendimento dos investigadores é que o nome de Vargas foi sugerido como alguém que estaria do lado dos exploradores do jogo. Na gravação, Portugal orienta um funcionário a manter aberta uma casa de videobingo.
Nos siga no Google Notícias